23.6.16

BOWERS & WILKINS


A busca incessante pelo som mais puro que existe. O casamento perfeito entre alta tecnologia e design moderno. Pois é exatamente isso que encontramos em cada produto desenvolvido pela inglesa Bowers & Wilkins, cujas caixas de som estão presentes nos melhores estúdios musicais do mundo. A marca se tornou o sonho de consumo de todos aqueles que prezam pela alta qualidade sonora. Além disso, a beleza dos equipamentos os tornam verdadeiras peças de decoração. 

A história 
Tudo começou em 1965 quando o engenheiro de telecomunicações John Bowers e Roy Wilkins, que se conheceram quando serviam as forças armadas, inauguraram uma modesta loja de reparos de rádios e televisões. No entanto, John era um apaixonado fã de música clássica, que estava desapontado com a reprodução de som que os melhores equipamentos da época ofereciam. Como resultado de sua paixão, ele começou a fabricar alto-falantes em uma garagem localizada na parte de trás da loja. Finalmente em 1966, Jonh Bowers e seu amigo de longa data Peter Haywar fundaram uma pequena empresa de produtos de áudio, chamada B&W Loudspeakers Ltd., na costa sul da Inglaterra, localizada na cidade de Worthing. No ano seguinte a empresa criou seus primeiros alto-falantes que foram adquiridos por uma senhora apreciadora de música clássica, chamada Miss Knight. Esta senhora se apaixonou instantaneamente por Jonh Bowers, devido ao seu vasto conhecimento de música erudita e por ter feito um alto-falante de uma qualidade que ela nunca tinha visto antes. Assim, Miss Kinght pagou a fortuna de £10 mil pelos alto-falantes. Esse dinheiro ajudou alavancar a Bowers & Wilkins para a produção em massa de seus produtos.


Ainda em 1967, a marca lançou no mercado seu primeiro dispositivo, o alto-falante p1. O lucro com a venda deste dispositivo fez com que a empresa investisse em equipamentos de modulação de som, tendo como principal objetivo a produção de alto-falantes de ampla qualidade, além de amplificadores e gravadores, que se tornaram uma solução acessível de preço e ao mesmo tempo, apresentavam uma qualidade superior de som. No início da década seguinte, em 1973, a empresa já exportava 60% de sua produção. A partir de 1974, a marca passou a utilizar o Kevlar como material pela primeira vez e isso deu origem ao excepcional alto-falante B&W 801, lançado no mercado em 1979, de reprodução tão fiel às gravações originais que se tornou referência em quase todos os estúdios de gravação de músicas do mundo, como Abbey Road, Decca e Deutsche Grammophon. Em 1981, a empresa inaugura o mundialmente famoso Steyning Research Establishment, muitas vezes apelidado de “University of Sound” (“Universidade do Som”) pelos jornalistas. Atualmente este laboratório abriga uma competente equipe de engenheiros acústicos e eletrônicos que têm a disposição as melhores tecnologias do segmento para criar produtos inovadores.


Após enorme sucesso do B&W 801, a partir da década de 1990, a B&W lançou inúmeros produtos inovadores, transformando-se em uma marca inovadora no segmento de produtos de áudio, como por exemplo, a caixa Silver Signature, que foi o primeiro alto-falante a utilizar prata ao invés de cobre como condutor de fios e cabos, transformando o hábito de ouvir música em um verdadeiro prazer. A partir do novo milênio, a B&W se popularizou com o surgimento de gadgets como o iPod, modificando a interpretação de ouvir som pela sociedade. Criou assim novos produtos de fácil acessibilidade com uma qualidade diferenciada como fones de ouvido e conquistou novos consumidores. Um dos exemplos é o B&W Zepellin, lançado em 2007 e considerado um dos melhores e mais modernos Dock Stations do mundo, feito sobre o formato único de um Zepellin, aqueles populares dirigíveis do começo do século passado. Essa linha oferece ainda o modelo Air, que permite conectar remotamente todos os produtos da Apple. Tal produto se tornou um cobiçado sonho de consumo para se ouvir musical digital no conforto de casa. Nos últimos anos a B&W, que se tornou referência em áudio de alta fidelidade, ingressou em novos segmentos de mercado com o lançamento de fones de ouvido hi-fi e caixas de som para computadores.


Dos muitos produtos incríveis fabricados pela marca inglesa, provavelmente o mais famoso é o conjunto de caixas de som Nautilus, apresentado ao mercado em 1993. Após cinco anos de desenvolvimento e pesquisas, os engenheiros da empresa descobriram que os cantos vivos das tradicionais caixas de som formavam na verdade gabinetes cheios de distorção, e decidiram buscar nas formas da natureza, mais precisamente na acústica das conchas, uma solução para incrementar a fidelidade do som. E o que se seguiu foi uma música tão real que praticamente poderia ser tocada. E assim, nasceu o conjunto Nautilus, hoje reconhecido por seu design clássico, e que chegou a ser descrito como “talvez o melhor alto-falante que o dinheiro pode comprar”. Por mês, poucas caixas de som Nautilus deixam a fábrica da empresa na Inglaterra, após aproximadamente 44 horas de trabalho artesanal.


Outra estrela em seu portfólio de produto atende pelo nome de B&W 800 Series Diamond, caixas de som com alto-falantes de diamantes lançadas em 2010. Como o diamante é um material extremamente duro, os alto-falantes não sofrem deformações enquanto estão funcionando. E graças a isso, conseguem reproduzir as ondas sonoras de maneira muito mais precisa. Seu formato aerodinâmico, com linhas que lembram as de um avião, não é apenas bonito: também ajuda a reduzir a turbulência do ar na sala, deixando o som ainda mais limpo e agradável. A linha oferece sete modelos de caixas acústicas, que se adaptam a salas e decorações de todos os tipos e tamanhos. Também servem tanto para ouvir música, quanto para ver filmes em home theaters altamente sofisticados, com qualidade de áudio superior à de qualquer cinema. Abbey Road, templo máximo do som, onde John Lennon, Pink Floyd e Radiohead faziam questão de gravar seus álbuns, foi o primeiro estúdio a adotar as caixas de som com alto-falantes de diamantes B&W 800 Series Diamond.


A marca também tem forte presença no segmento de áudio automotivo de luxo. Para se ter uma ideia da qualidade de seus sistemas de som neste segmento, a B&W é responsável pelo desenvolvimento de sistemas de som exclusivos que equipam os automóveis da aristocrática marca britânica Jaguar e os alguns modelos da italiana Maserati e da sueca Volvo. Em 2016, a Eva Automation, uma startup do Vale do Silício, criada em 2014, com foco no desenvolvimento de produtos e sistemas de áudio e vídeo, adquiriu a Bowers & Wilkins, incluindo também as marcas Rotel e Classe Audio – ambas do mesmo grupo.


Há mais de cinco décadas, a B&W busca incansavelmente pela perfeição do som mais puro e isto tem resultado em uma sequência de inovações em caixas acústicas que vêm satisfazendo os ouvintes mais exigentes do planeta. As entusiásticas análises que seus produtos têm recebido e a enorme aceitação global de suas caixas acústicas como monitores para gravações profissionais, como nos famosos estúdios Abbey Road e George Lucas’s Skywalker Sound, ajudaram a B&W a se tornar a marca dominante em caixas acústicas do segmento hi-fi em todo o mundo. Afinal, a fabricante inglesa de alguns dos melhores sistemas de som e alto-falantes do mundo, capazes de reconstruir o ambiente acústico, torna a experiência de escutar sua música preferida em algo indescritível.


Os slogans 
Listen and you’ll see. 
This changes everything.


Dados corporativos 
● Origem: Inglaterra 
● Fundação: 1966 
● Fundador: John Bowers e Peter Haywar 
● Sede mundial: Worthing, Inglaterra 
● Proprietário da marca: B&W Group Ltd. 
● Capital aberto: Não 
● Chairman: Gideon Yu 
● CEO: Joe Atkins 
● Faturamento: £120 milhões (estimado) 
● Lucro: Não divulgado 
● Presença global: 65 países 
● Presença no Brasil: Sim 
● Funcionários: 1.100 
● Segmento: Equipamentos de áudio 
● Principais produtos: Caixas de som, fones de ouvido, home theater e sistemas de áudio 
● Concorrentes diretos: Bose, Bang & Olufsen, Paradigm, KEF, Dynaudio e Harmand 
● Slogan: Listen and you’ll see. 
● Website: www.bowers-wilkins.com 

A marca no mundo 
A Bowers & Wilkins, líder mundial no mercado de caixas acústicas de alto padrão, comercializa sua linha de produtos em mais de 65 países ao redor do mundo. A B&W é a principal exportadora de caixas acústicas do Reino Unido e a número um em importações pelos Estados Unidos. Além disso, a marca produz alto-falantes, sistemas de som e fones de ouvido de alta qualidade para hotéis de luxo, fabricantes de automóveis e estúdios de gravação. 


Você sabia? 
A paixão da B&W pelo melhor som é tamanha, que entre 1988 e 1996, a empresa teve sua própria gravadora. 
Presente nos melhores estúdios musicais do mundo, as caixas B&W são o que há de mais conceitual, moderno e eficiente no mercado de áudio. 


As fontes: as informações foram retiradas e compiladas do site oficial da empresa (em várias línguas), revistas (Fortune, Forbes, Newsweek, BusinessWeek e Exame), portais (IG), sites especializados em Marketing e Branding (BrandChannel e Interbrand), Wikipedia (informações devidamente checadas) e sites financeiros (Google Finance, Yahoo Finance e Hoovers). 


Última atualização em 23/6/2016

15.6.16

YOKOHAMA TYRES


Um compromisso em antecipar e satisfazer as necessidades de milhões de consumidores utilizando as mais avançadas tecnologias em pneus, fazem da YOKOHAMA TYRES, uma das marcas mais respeitadas quando o assunto é confiança, conforto e segurança na condução de veículos. 

A história 
Segunda fabricante de pneus mais antiga do Japão, a YOKOHAMA RUBBER foi fundada no dia 13 de outubro de 1917 no município de Kanagawa como um empreendimento conjunto entre a Yokohama Cable Manufacturing e a americana B.F. Goodrich, que em 1910, inventou pneus com uma vida mais longa através da adição de carbono à borracha. Pouco depois, em 1919, a empresa iniciou a produção de pneus na fábrica de Hiranuma, na cidade de Yokohama. Já em 1921, a empresa demonstrava toda sua inovação com a fabricação do primeiro pneu diagonal do Japão. Somente em 1937 a marca comercial de pneus e produtos industriais foi renomeada para YOKOHAMA TYRES (no caso dos pneus). Nos anos seguintes, apesar de sofrer como todo o Japão em virtude da Segunda Guerra Mundial, a empresa conseguiu expandir sua produção com a inauguração de novas fábricas pelo país.


Apesar de estar intimamente ligada a cidade de Yokohama, a empresa mudou sua sede para Tóquio em 1952 por questões estratégicas. Nos anos seguintes a marca continuou inovando ao lançar o primeiro pneu sem câmara de ar do Japão (1954), o primeiro pneu com borracha sintética (1957) e o primeiro pneu com cabo de náilon do mercado japonês (1958). Finalmente em 1963 o nome da empresa foi alterado para The Yokohama Rubber Co., Ltd. Neste mesmo ano a marca iniciou sua estreita relação com o automobilismo ao iniciar o fornecimento de pneus de competição para a indústria esportiva japonesa. Pouco anos depois, em 1967, a YOKOHAMA TYRES lançou no mercado o pneu radial para automóveis de passageiros, chamado de GT Special, que se tornaria um dos mais vendidos da marca. Em 1969, a empresa, além de inaugurar seu centro de pesquisa, deu um passo importante para sua internacionalização ao estabelecer a YOKOHAMA TIRE CORPORATION como uma subsidiária de vendas na cidade de Los Angeles, ingressando assim no enorme e voraz mercado americano.


A década seguinte começou com um grande lançamento: o primeiro pneu radial de aço para caminhões e ônibus fabricado em território japonês, o Super Steel Series. No restante da década, além de inaugurar novas unidades fabris para atender a alta demanda do mercado, a empresa continuou sua expansão internacional com a criação de subsidiárias em outros países, como por exemplo, em 1976 na Austrália. Além disso, em 1977, a marca desenvolveu o maior pneu OTR do mundo na época, para caminhões de 200 toneladas; e, em 1978, o pneu radial de alta performance para carros de passageiros (ADVAN HF). Pouco depois, em 1981, a YOKOHAMA TYRES resolveu ingressar no varejo com a inauguração da primeira loja franqueada de pneus, chamada Grand Slam, em Tochigi. Ainda neste ano ocorreu o lançamento dos pneus radiais sem câmara para caminhões e ônibus. A empresa resolveu diversificar seu ramo de atuação em 1983, quando ingressou no segmento de artigos esportivos com o lançamento de produtos para golfe, incluindo tacos. Ainda este ano dois fatos importantes ocorreram: a marca forneceu os pneus oficiais para o primeiro Grande Prêmio de Macau de F3 e lançou os pneus especificamente desenvolvidos para rodar na neve.


Sempre em busca de inovação para incorporar a seus produtos, em 1986 a empresa inaugurou uma moderna instalação de testes de pneus, batizada de D-PARC (Campo de Provas e Centro de Pesquisa Daigo). No final desta década, em 1989, ocorreu à abertura do T*MARY (Takasu Motoring and Researching Yard), Centro Especializado de Pesquisas em Condições de Neve e de Baixa Temperatura. Além disso, a marca obteve aprovação técnica pela Porsche para que seus pneus passassem a equipar os veículos da marca alemã. Em 1993 teve início das vendas dos pneus da marca japonesa no Brasil. Em 1995, a YOKOHAMA TYRES, divisão de pneus, tornou-se a primeira fabricante de pneus japonesa a obter o certificado ISO9001. Em 2001, como reconhecimento pela excelência de seus pneus, o Geolandar H/T G038 foi adotado como pneu padrão para o Mercedes-Benz G-Class. Pouco depois, em 2004, o ADVAN SPORT, novo pneu esportivo de alta performance da marca, foi adotado para equipar o Bentley Continental GT. Em 2007, seguindo os altos investimentos em marketing, a YOKOHAMA TYRES começou a fornecer pneus para o FIA World Touring Car Championship (WTCC), o Mundial de Carros de Turismo.


Mais recentemente, a YOKOHAMA TYRES lançou no mercado os pneus ecológicos BluEarth, que carregam em sua essência o conceito global da marca que visa a fabricação de produtos amigáveis ao meio ambiente; e o pneu C.Drive 2, desenvolvido com composto de óleo de laranja com sílica, introduzindo assim uma nova era de pneus ecológicos. Em 2016 a empresa anunciou a aquisição da Alliance Tire Group, fabricante de pneus para máquinas agrícolas e de silvicultura, ingressando assim em um novo segmento de mercado. Atualmente a YOKOHAMA TYRES é uma das marcas japonesas de maior renome mundial, detentora de projetos inovadores e de consciência ecológica presente nas principais montadoras do planeta, como por exemplo, Aston Martin, Audi, Bentley, Lexus, Lotus, Mercedes-Benz, Mitsubishi, Nissan, Porsche, entre outras. Alta Performance é a característica dos pneus YOKOHAMA TYRES, atestadas pelas montadoras através dos seus principais modelos de veículos, que são referências dos mais altos níveis de segurança, desempenho, conforto, baixa resistência ao rolamento e tecnologia de ponta.


No segmento de pneus de automóveis a YOKOHAMA TYRES oferece quatro linhas principais: ADVAN, pneus de alto desempenho; BluEarth, pneus ecológicos que reduzem o consumo de combustível; iceGUARD, pneus para climas de inverno; e GEOLANDAR, pneus para veículos utilitários esportivos. Já no segmento comercial (caminhões e ônibus), a marca oferece pneus que suportam diferentes pesos de carga, desde as mais leves até as mais pesadas, que garantem estabilidade, durabilidade e economia, em médias e longas distâncias, sendo em asfalto ou terra.


Inovação 
Investimento em tecnologia e alta performance andam juntos. É por isso que a YOKOHAMA TYRES investe em uma equipe de pesquisadores altamente qualificados. São mais de 860 profissionais que estão sempre tendo ideias e revolucionando o mercado com materiais e produtos inovadores. Tudo isso para que os consumidores mais exigentes fiquem sempre satisfeitos. E é no Japão no Centro Integrado de Pesquisa de Desenvolvimento Tecnológico (RADIC), instalado na fábrica de Hiratsuka e inaugurado em 1991, onde são criados os novos materiais e conceitos para aprimoramento dos pneus, com o auxílio de tecnologia moderna, como por exemplo, supercomputadores e separador centrífugo. Já nas extensas instalações de D-PARC (Centro de Investigação e Campo de testes de Daigo) e T*MARY (Campo de Investigação e automobilismo de Takasu) a empresa simula todos os tipos de superfície de estrada. A pista oval de D-PARC possuiu a maior pista de derrapagem do Japão e 20 tipos de superfície de estrada.


Somando este time de experts com a experiência da empresa, a YOKOHAMA TYRES traz em seus pneus toda a qualidade e garantia de um produto premium. Os materiais são um fator crítico que afeta o desempenho dos pneus e o Grupo de Pesquisa Avançada de Materiais realiza uma busca incessante para tipos que não só minimizem o impacto dos produtos para o meio ambiente, mas que levam a um maior desempenho também. Um destes materiais é o óleo de laranja, um composto renovável retirado da casca de laranja descartada em outros processos industriais, e que ao ser misturado à borracha natural, produz excelente aderência, além de entregar eficiência na redução consumo de combustível através da baixa resistência ao rolamento.


Os slogans 
Now You’ve got control. 
The easiest tyres to choose. 
The Soul Of Japan. 
Excellence by nature. 
Tires you can trust. 
Yokohama. Really grips. 
Pneus especiais para você desde 1917. (Brasil)


Dados corporativos 
● Origem: Japão 
● Fundação: 13 de outubro de 917 
● Fundador: Yokohama Cable Manafacturing Co. e BF Goodrich 
● Sede mundial: Tóquio, Japão 
● Proprietário da marca: The Yokohama Rubber Company, Ltd. 
● Capital aberto: Sim 
● Chairman & CEO: Tadanobu Nagumo 
● Presidente: Hikomitsu Noji 
● Faturamento: US$ 5.94 bilhões (2015) 
● Lucro: US$ 342 milhões (2015) 
● Valor de mercado: US$ 2.31 bilhões (junho/2016) 
● Presença global: 80 países 
● Presença no Brasil: Sim 
● Funcionários: 22.190 
● Segmento: Pneumático 
● Principais produtos: Pneus, câmaras de ar e equipamentos para golfe 
● Concorrentes diretos: Goodyear, Michelin, Bridgestone, Dunlop, Pirelli, Continental, Toyo, Kumho e Firestone 
● Ícones: O Y estilizado 
● Slogan: Now You’ve got control. 
● Website: www.yokohama.com.br 

A marca no mundo 
Oitava maior fabricante de pneus do mundo, a YOKOHAMA TYRES vende seus produtos em mais de 80 países, incluindo uma vasta linha de pneus para automóveis de passeio, utilitários, caminhões, ônibus, equipamentos de mineração, construção, veículos industriais, além de rodas de liga de alumínio e componentes relacionados com automóveis. A empresa também aplica seus conhecimentos em borracha às diversas e bem sucedidas linhas de negócios, incluindo mangueiras marinhas, produtos industriais (como por exemplo vedantes e selantes industriais), produtos aeroespaciais, produtos para proteção contra terremotos e equipamentos de golfe. Os pneus representaram aproximadamente 80% do faturamento de US$ 5.94 bilhões que a empresa alcançou em 2015. 

Você sabia? 
Desde 2007 a empresa mantém o projeto “Yokohama sempre floresta” (“Yokohama Forever Forest”), cujo intuito é plantar árvores em todas as suas fábricas ao redor do mundo. O projeto visa plantar 500.000 árvores ao redor das instalações até 2017. 
Em 2015 a YOKOHAMA TYRES assinou um dos maiores contratos de patrocínio do futebol mundial com o clube inglês do Chelsea no valor de US$ 60 milhões anuais. O contrato tem validade de cinco anos. 


As fontes: as informações foram retiradas e compiladas do site oficial da empresa (em várias línguas), revistas (Fortune, Forbes, BusinessWeek, Isto é Dinheiro e Exame), sites especializados em Marketing e Branding (BrandChannel e Interbrand), Wikipedia (informações devidamente checadas) e sites financeiros (Google Finance, Yahoo Finance e Hoovers). 

Última atualização em 15/6/2016

7.6.16

BNP PARIBAS


Ao colocar o cliente no centro de suas operações, o francês BNP PARIBAS, que se autointitula “um banco para um mundo em mudança”, posiciona-se como uma empresa responsável a serviço dos seus clientes. O banco define-se pela sua abordagem rigorosa à gestão de riscos, capacidade de adaptação e capacidade de inovação. 

A história 
A história do BNP PARIBAS é antiga e recheada de fusões e aquisições. Tudo começou no dia 7 de março de 1848 com a formação do Comptoir National d’Escompte de Paris, ou banco de desconto, estabelecido para tratar de uma grave crise econômica e bancária que afetava a França na época. Conhecido pela sigla CNEP e especializado em financiamento de comércio internacional, este banco começou a estabelecer em 1860 a sua rede de agências internacionais, especialmente na Ásia. O CNEP se tornou um dos primeiros bancos especializado em finanças corporativas e mercados financeiros. Já o Comptoir d’Escompte de Mulhouse, fundado também 1848 por iniciativa de empresários têxteis foi tomado por sua subsidiária, o Banque Nationale de Crédit, em 1930. Empresa esta, que naufragou durante a séria crise econômica de 1932 e foi relançada sob o nome de Banque Nationale pour le Commerce et l’Industrie (BNCI). O BNCI era notável por sua abordagem comercial e dinâmica, suas inovações e a criação de uma rede internacional com sede na África.


Em 1945, o CNEP e o BNCI foram nacionalizados e a fusão ocorreu em 1966 para formar o primeiro banco estatal francês, o Banque Nationale de Paris (conhecido pela abreviação de BNP). O BNP representava o acesso ao sistema bancário para a população francesa em uma maior escala. Em 1993, o BNP foi privatizado sob a liderança de Michel Pébereau, que transformou profundamente a instituição em um líder bancário. Finalmente, em 1999, após uma intensa batalha no mercado, o BNP tomou o controle do PARIBAS, que foi fundado em 1872 (chamado então de Banque de Paris et des Pays-Bas) e rapidamente se tornou o principal banco de investimento francês, especialmente pelo imediato sucesso ao emitir 3 bilhões de francos em bônus para a França pagar as indenizações ao recém-nascido Império Alemão por conta da Guerra Franco Prussiana de 1870. Ele detinha também participações em um grande número de empresas e era especializado nos mercados financeiros e no financiamento de infraestrutura. Além disso, apesar de na Segunda Guerra Mundial perder muitos ativos, conseguiu se sair bem em 1946 e escapou da nacionalização dos bancos comerciais franceses ao se apresentar como banco de investimento.


Exatamente no dia 23 de maio de 2000 foi oficialmente formado o BNP PARIBAS, que nos anos seguintes, internacionalizou suas operações e se tornou um forte líder no sistema financeiro europeu, após a integração ou aquisição de outros importantes bancos, como por exemplo, em 2001 com a compra do Bank of the West, fundado nos Estados Unidos em 1874; em 2006 com a BNL, Banca Nazionale del Lavoro, criada na Itália em 1913; em 2009 com as operações bancárias do Fortis, fundado em 1822 sob o nome de Société Générale de Belgique e o BGL, Banque Générale du Luxembourg, criado em 1919; e em 2010 com o TEB na Turquia, originado antes de 1927.


Atualmente o BNP PARIBAS, líder em serviços bancários e financeiros na Europa, atua em três atividades principais complementares, proporcionando força estratégica e assegurando a solidez financeira do grupo: Banco de Varejo, Soluções de Investimento e Corporate & Institutional Banking (oferece para empresas, instituições e clientes do setor público uma vasta gama de produtos, serviços bancários diários para produtos de valor agregado e soluções sofisticadas de investimento). O banco ainda conta com subsidiárias como BNP PARIBAS REAL STATE (oferece seis linhas de negócio que cobrem todo o ciclo de propriedade, como desenvolvimento, transação, consultoria, avaliação, gestão de propriedade e gestão de investimentos), ARVAL (fundada em 1989, oferece soluções inteligentes para frotas de veículos corporativos, sendo reconhecida mundialmente em mais de 39 países), BNP PARIBAS CARDIF (oferece uma completa gama de seguros de vida, financeiro, automóveis, propriedade, garantia estendida e planos de previdência em mais de 40 países, com forte atuação nos mercados da Europa, Ásia e América Latina) e CETELEM (presente em 80 países oferece empréstimos pessoais, financiamentos, crédito imobiliário e crédito consignado).


Já no Brasil, onde está presente desde 1950, o tradicional banco francês oferece uma extensa gama de serviços e produtos através de suas três principais áreas de negócios no país: BNP PARIBAS Asset Management (tem papel de destaque na indústria de fundos de investimento do país, com produtos competitivos para clientes no Brasil e no exterior e crescimento contínuo em seu volume de ativos administrados), BNP PARIBAS Corporate & Institutional Banking (estruturada para prestar atendimento especializado a clientes de todos os setores, oferecendo produtos e serviços financeiros com abordagem técnica diferenciada e total sinergia no relacionamento) e BNP PARIBAS Wealth Management (este segmento de administração de fortunas está ao lado de seus clientes ajudando-os a proteger, valorizar e aumentar a sua riqueza).


Parceiro mundial do tênis 
O BNP PARIBAS é um forte parceiro do tênis no mundo todo. Ao fazer do tênis parte importante de sua estratégia de comunicação e marketing, o banco francês antecipou a popularidade do esporte que começou a ganhar destaque no início dos anos de 1980. A marca está ligada ao tênis desde 1971, quando criou uma agência temporária em Roland Garros e, em 1987, quando passou a contar com uma agência permanente no local. Já o primeiro acordo com a Federação Francesa de Tênis foi assinado em 1973, parceria que hoje, vai além do patrocínio de torneios abertos franceses. Além de patrocinar torneios consagrados, o BNP PARIBAS também apoia outras categorias - de crianças a profissionais - patrocinando escolas francesas de tênis em conjunto com a Federação Francesa do esporte. Em fevereiro de 2001, o banco francês e a Federação Internacional de Tênis (ITF) assinaram um acordo que fez do BNP PARIBAS o patrocinador oficial da Copa Davis. Em 2011, o banco lançou o WE ARE TENNIS, um completo portal inteiramente dedicado as notícias do tênis, que fornece aos fãs do esporte constantes informações sobre eventos, tanto profissionais como amadores, e completa cobertura de todos os principais torneios mundiais. O portal ainda oferece a chance de ganhar ingressos para os torneios patrocinados pelo BNP PARIBAS, como por exemplo, Roland Garros, Masters 1000 de Indian Wells, Masters 1000 de Monte Carlo, Masters 1000 de Paris, Masters 1000 de Roma, entre outros.


A evolução visual 
O tradicional logotipo da marca francesa foi criado em 2000, resultado da fusão dos bancos BNP e PARIBAS. O logotipo é representado por quatro estrelas em movimento, a última transformada em um pássaro estilizado, que simbolizam os quatro valores da marca: compromisso, reação, ambição e criatividade. A cor verde do BNP foi mantida no novo logotipo.


Em 2007 o logotipo passou por uma atualização, quando os símbolos se tornaram brancos e foram inseridos dentro de um quadrado verde (que ganhou um tom mais escuro). Em 2009 o quadrado ganhou sombras e reflexos, adquirindo uma imagem mais moderna e impactante.


Os slogans 
La banque d’un monde qui change. (França) 
The bank for a changing world. (inglês) 
O banco para um mundo em mudança. (Brasil) 
Keep reaching. (2010) 
Straight Talking. (2010)


Dados corporativos 
● Origem: França 
● Fundação: 23 de maio de 2000 
● Fundador: Fusão dos bancos BNP e Paribas 
● Sede mundial: Paris, França 
● Proprietário da marca: BNP Paribas S.A. 
● Capital aberto: Sim 
● Chairman: Jean Lemierre 
● CEO: Jean-Laurent Bonnafé 
● Faturamento: €42.9 bilhões (2015) 
● Lucro: €6.7 bilhões (2015) 
● Valor de mercado: €58.8 bilhões (junho/2016) 
● Agências: 7.000 
● Presença global: 75 países 
● Presença no Brasil: Sim 
● Funcionários: 189.000 
● Segmento: Financeiro 
● Principais produtos: Banco de varejo, banco corporativo, seguros e investimentos pessoais 
● Concorrentes diretos: Société Générale, Crédit Agricole, LCL, Credit Suisse, Barclays, HSBC, UBS, Santander e Deutsche Bank 
● Ícones: As estrelas em movimento 
● Slogan: The bank for a changing world. 
● Website: www.bnpparibas.com.br 

A marca no mundo 
O BNP PARIBAS, um dos maiores e mais sólidos bancos do mundo, e um dos principais da Zona do Euro em termos de lucros, capital e valor de mercado, oferece uma completa gama de serviços financeiros (varejo, corporativo, leasing, seguros e investimentos pessoais) para mais de 32 milhões de clientes individuais, além de 1 milhão de clientes corporativos, em mais de 75 países. O banco, que em 2015 alcançou faturamento de €42.9 bilhões, tem 7.000 agências, sendo mais de 4.800 no continente europeu. Hoje em dia, 75% de seu faturamento vêm da Europa, especialmente de países como Bélgica, França, Itália e Luxemburgo. 

Você sabia? 
Com operações nos cinco continentes, tendo iniciado sua trajetória há mais de um século, o BNP PARIBAS é hoje um banco verdadeiramente global. Ajudou a construir muitas das grandes economias da Europa e contribui para o desenvolvimento econômico nas Américas, na África, no Oriente Médio e na região Ásia-Pacífico. 


As fontes: as informações foram retiradas e compiladas do site oficial da empresa (em várias línguas), revistas (Fortune, Forbes, Newsweek, BusinessWeek e Exame), sites especializados em Marketing e Branding (BrandChannel e Interbrand), Wikipedia (informações devidamente checadas) e sites financeiros (Google Finance, Yahoo Finance e Hoovers). 

Última atualização em 7/6/2016

30.5.16

LOS PALETEROS


A LOS PALETEROS se tornou fenômeno de vendas no segmento de sorvetes premium, encantando milhões de consumidores brasileiros com suas deliciosas paletas mexicanas. A combinação harmoniosa de sabores incríveis, criações surpreendentes, frutas fresquinhas e aromas deliciosos fizeram com que a marca se transformasse em sinônimo de experiência inesquecível. Mais que uma paleteria, a LOS PALETEROS é uma empresa de inovação em sorvetes. 

A história 
Tudo começou com Gean Chu e Gilberto Verona Filho, ambos formados em engenharia da computação, que se conheceram ainda na faculdade. Empreendedores natos, a dupla decidiu abrir um negócio bem diferente de sua formação tecnológica. Isto porque, antes de começar o novo empreendimento, a jovem dupla resolveu fazer uma pesquisa mais ampla em diferentes mercados. A investigação revelou uma surpresa: em vez de apostar em aplicativos ou sistemas, o melhor seria investir no setor de sorvetes premium. Apesar das oportunidades, ambos tinham uma dúvida: como se diferenciar? Nas pesquisas eles se familiarizam com um tipo de picolé mexicano que já se difundia na cidade Curitiba por meio de lojas pequenas e artesanais: as paletas mexicanas, uma espécie de picolé artesanal com 120g (os convencionais pesam, geralmente, de 50 a 60g), feito à base de frutas e sem nenhum aditivo ou conservante químico (apenas água - ou leite - e frutas).


Para se tornarem verdadeiros paleteros, os dois, em 2012, fizeram uma viagem pelo México para descobrir os segredos desses deliciosos sorvetes, vendidos em bairros populares do país. Depois de muitas pesquisas de mercado e experiências, na cozinha de suas casas, os jovens fundaram com a ajuda de aproximadamente R$ 700 mil de um investidor anjo, parente da família de Verona, a LOS PALETEROS na cidade de Curitiba e inauguraram a primeira loja, no Balneário Camboriú, em Santa Catarina, no dia 29 de dezembro de 2012. A escolha da cidade turística tinha um propósito: testar o produto com consumidores de diversas partes do Brasil na alta temporada de verão. A arquitetura e a identidade inovadora, aliado a um produto único e de altíssima qualidade, atraíram rapidamente os consumidores. A novidade se espalhou e, em pouco tempo, a LOS PALETEROS se tornou uma parada obrigatória aos que estavam na região de Balneário Camboriú. Porém logo no começo eles enfrentaram os primeiros percalços. Apostar em ingredientes naturais como frutas frescas foi o motivo que danificou algumas das máquinas, que não previam esses tipos matérias-primas. A dupla, porém, não desistiu do conceito de paletas de qualidade e 100% naturais. Fizeram consertos e acertos e a marca começou a se tornar conhecida pela região sul.


A história da marca começou a mudar quando em 2013 surgiu a oportunidade de abrir a primeira franquia, no mês de abril na cidade de Curitiba. A iniciativa deu tão certo que outras unidades foram inauguradas. Em meados de 2014 a rede já possuía duas lojas próprias e 15 unidades franqueadas. Em outubro de 2014, para atender a alta demanda por suas paletas, a empresa inaugurou uma nova fábrica e uma loja conceito (projetada para treinamento de novos franqueados e suas equipes, visando maior aproximação com o cliente e sua fidelização) na cidade de Barracão, sudoeste do Paraná. Com isso, a empresa elevou sua capacidade produtiva a 1.2 milhões de paletas ao mês, número que dobrou até o fim do ano, com a implantação de novos maquinários. Neste mesmo ano a LOS PALETEROS inaugurou suas primeiras lojas na cidade de São Paulo e fechou com faturamento de R$ 70 milhões.


Em 2015, a rede lançou um novo modelo de operação compacto (em formato de carrinho), com taxa de franquia mais baixa e desenvolvido exclusivamente para shopping center. A rede fechou o ano com presença em São Paulo, Rio de Janeiro, Mato Grosso do Sul, Paraná, Santa Catarina, Rio Grande do Sul, Minas Gerais, Espírito Santo e Bahia, além do Distrito Federal. Visando atender a demanda local e um futuro plano de expansão para o exterior, a empresa usou o ano de 2015 para aumentar a capacidade produtiva da fábrica (quatro milhões de paletas por mês), ampliar o mix de produtos e conquistar certificações internacionais, fundamentais para entrar no comércio exterior. Com isso, no início de 2016 a marca LOS PALETEROS iniciou seu processo de internacionalização quando suas paletas começaram a ser vendidas na França (foram contêineres com mais de 250 mil paletas) em supermercados nas cidades de Paris e Marselha. O projeto de expansão inclui também a abertura de franquias na América do Sul (a cidade de Rivera, no Uruguai, será a primeira a receber uma loja da marca) e a comercialização dos produtos para a Europa e os Estados Unidos através de distribuidores locais. E a rede já recebeu convites para internacionalização em países como Argentina, Chile, Espanha, Alemanha, Austrália e Estados Unidos, com quem as negociações com um grupo de empresários brasileiros já está mais avançada.


Atualmente a LOS PALETEROS oferece mais de 30 sabores, produzidos com as melhores matérias-primas, vindas de marcas líderes do mercado, de diversos países. Fruta de verdade, doce de leite de verdade, brigadeiro de verdade. Sabor de verdade. São duas linhas, a Clássica com sabores como Morango com Leite Condensado, Mousse de Maracujá, Pistache, Brigadeiro, Doce de Leite, Coco, Limão, e os exóticos Jamaica (framboesa com hibisco), Pão de Mel e Abacaxi com Beijinho; e a XS (paletas com tamanho 30% menor, mas com a mesma qualidade, sabor e cremosidade já conhecidos). A marca também inova constantemente, criando sabores inusitados como o Leite & Trufa, que proporciona uma experiência sensorial incrível nas diferentes formas de comer, e a paleta de Creme de Laranja com Amêndoas, que surpreende a todos com sua sofisticação. Isso sem contar com as parcerias de co-branding, como a paleta de Iogurte com Frutas Vermelhas inspirada na bala Fruittella Grego, e a Crunchy Cream, criada especialmente para o Rock In Rio.


Além disso, em 2016, com o desafio de não deixar as vendas esfriarem e uma pitada de inovação, a marca criou e lançou no mercado um novo conceito de picolé: o Poëse, uma bola de sorvete cremoso com o mesmo recheio da paleta, mas com cobertura de chocolate, que chegou ao mercado em quatro sabores exclusivos como o Ciocco Mani (sorvete de chocolate ao leite, recheio de creme de amendoim e cobertura de chocolate meio amargo), Ciocco Trip (sorvete de chocolate ao leite, recheio de brigadeiro e cobertura de chocolate meio amargo), Dulce Creme (sorvete de creme recheado com doce de leite, coberto com chocolate branco) e Lemonilla (sorvete de baunilha com recheio de creme de limão e cobertura de chocolate branco). E a inovação não terminou por aí – continuou na embalagem que, além do formato inusitado, também carrega frases curtas e citações do curitibano Alvaro Posselt, convidando a uma experiência diferenciada de reflexão e prazer.


As mascotes 
A marca possui um trio de mascote divertido e tipicamente mexicano. Batizados de Los Paleteros, eles têm nomes, funções e personalidades distintas. São eles: Alejandro, Emiliano e Santiago. Três paleteros que dominam a arte de fabricar paletas, em funções que se completam em todo o processo: a de selecionar as melhores frutas (Emiliano), de desenvolver os sabores (Alejandro) e a de atender o cliente (Santiago).


A evolução visual 
A identidade visual da marca, reconhecida por suas cores vivas e uma paleta estilizada (inicialmente construída com traços presentes na arte ancestral e popular mexicana), passou recentemente por uma atualização. No novo logotipo, além de uma nova tipografia de letra e o nome da marca escrito agora somente em uma cor (vermelha), a tradicional paleta ganhou um design mais simplificado e arredondado.


Dados corporativos 
● Origem: Brasil 
● Fundação: 29 de dezembro de 2012 
● Fundador: Gean Chu e Gilberto Verona Filho 
● Sede mundial: Barracão, Paraná, Brasil 
● Proprietário da marca: LP Franchising Brasil Ltda. 
● Capital aberto: Não 
● Presidente: Gean Chu 
● Faturamento: R$ 76 milhões (2015) 
● Lucro: Não divulgado 
● Lojas: 100 
● Presença global: 5 países 
● Presença no Brasil: Sim 
● Funcionários: 400 
● Segmento: Alimentos 
● Principais produtos: Paletas mexicanas 
● Concorrentes diretos: Los Hermanos, Palecolé, Helado Monterrey, Me Gusta e Gelato Diletto 
● Mascotes: Los Paleteros 
● Slogan: Deliciosamente original. 
● Website: www.lospaleteros.com.br 

A marca no mundo 
Atualmente a rede LOS PALETEROS possui mais de 100 pontos de venda (entre lojas, quiosques e carrinhos) em 12 estados brasileiros. Isto sem contar os freezers instalados em pontos de venda como padarias, farmácias, bancas e restaurantes. Além disso, a empresa exporta suas paletas para países da América do Sul e Europa (especialmente França e Portugal). A fábrica da empresa (localizada em Barracão, no estado do Paraná) produz mais de 4 milhões de paletas por mês. 

Você sabia? 
Para desenvolver novos sabores e aprimorar as opções já comercializadas pela rede, a empresa inaugurou, em 2015, o LAB Paleteros, localizado em Moema, zona sul de São Paulo, um ambiente de inovação da marca. 
Paleta é um tipo de sorvete, produzido geralmente a partir de frutas frescas. O nome vem do espanhol “palo”, ou “bastão” em português, seguido do sufixo diminutivo “eta”, em referência ao pequeno palito que é congelado dentro de cada sorvete. 


As fontes: as informações foram retiradas e compiladas do site oficial da empresa (em várias línguas), revistas (Exame, Isto é Dinheiro, Época Negócios e PEGN), jornais (Meio Mensagem, Estadão, Folha e O Globo), sites especializados em Marketing e Branding (Mundo do Marketing) e Wikipedia (informações devidamente checadas). 

Última atualização em 30/5/2016

20.5.16

TRACK&FIELD


A missão da Track&Field vem sendo promover o esporte como parte essencial da vida das pessoas. A prática esportiva e a escolha de um estilo de vida saudável, aproxima as pessoas, equilibra e ajuda a conquistar maiores desafios. A marca brasileira é inspirada diariamente por todos aqueles que fazem do esporte uma escolha capaz de definir sua rotina, suas amizades, sua vida. Mais que uma marca esportiva, a Track&Field é um estilo de vida. E totalmente esportivo. 

A história 
A pequena produção de camisetas para vender no colégio e depois para marcas de surfwear foi o início do negócio criado pelos primos Fred Wagner e Ricardo Rosset juntamente com o amigo Alberto Azevedo. Rapidamente eles perceberam que o negócio não iria longe e aproveitaram uma oportunidade para investir em uma marca de moda esportiva, já que não encontravam roupas adequadas para a prática esportiva. Assim, no dia 1 de fevereiro de 1988 surgia a Track&Field, especializada na venda de roupas e acessórios para corrida e ginástica. A primeira loja própria foi inaugurada em 1990 no Shopping Jardim Sul, bairro do Morumbi, em São Paulo. Um shopping novo, com pouco fluxo de pessoas e uma marca nova. Era um risco enorme. Mas com persistência, utilizando o tempo para aprender a operar no varejo, o negócio começou a vagarosamente prosperar.


A virada do negócio começou com a inauguração de uma loja no badalado Shopping Iguatemi. Nesta época, cada um dos sócios se virou para conseguir o dinheiro necessário para inaugurar a nova loja. Alberto tinha acabado de ganhar uma Parati do pai e foi pedir dinheiro a ele para abrir a loja. Ouviu uma negativa e a sugestão para vender o carro. Este fato foi marcante, porque quinze anos depois a Volkswagen procurou os três para criar a edição especial Parati Track&Field, e cada um dos sócios ganhou uma. Com a loja no Iguatemi a Track&Field ganhou enorme visibilidade e começou a conquistar um público cativo.


Nos anos seguintes, a Track&Field passou a promover o esporte e a atividade física como uma parte mais que fundamental da vida das pessoas, conquistando assim milhões de consumidores. A partir deste momento a marca sempre trabalhou para criar peças de qualidade e com design belo e moderno, resultando em um estilo que é ao mesmo tempo, funcional e bonito, já que a Track&Field procura, além de ser uma fornecedora de roupa esportiva, também uma incentivadora da prática esportiva. Com isso, ao invés de uma simples calça de moletom ou shorts de náilon, a marca passou a oferecer produtos “inteligentes”, como camisetas que não absorvem o suor, meias que previnem bolhas, maiôs que não estragam com o cloro da piscina, roupas com tecidos com fator de proteção solar, roupas com esferas de vidro que brilham à noite e camisetas com cápsulas de cheiro que são liberadas à medida que o atleta transpira. E além de lojas próprias, a marca passou a oferecer aos varejistas a revenda de suas roupas e acessórios esportivos.


Em 2009, com o intuito de atingir os consumidores das cidades onde ainda não existia loja física da marca, a Track&Field lançou seu comércio eletrônico. Até o ano de 2010 a empresa tinha 40 lojas próprias no Brasil e resolveu dar um grande salto ao inaugurar uma unidade em Nova York, na sofisticada Madison Avenue. A saída para continuar a crescer dentro do mercado brasileiro foi partir para o modelo de franquias, adotado em 2011. Com isso, nos anos seguintes a marca inaugurou inúmeras lojas em cidades de vários estados brasileiros. E a expansão no mercado americano continuou em 2015 com a inauguração de mais duas unidades em Los Angeles e Charlotte (esta última, uma franquia).


Além de aumentar sua linha de produtos durante os últimos anos, a Track&Field, sempre preocupada em oferecer ao seu consumidor uma experiência de melhor desempenho em qualquer atividade esportiva, faz parcerias com marcas consagradas de calçados esportivos, que ainda não estão presentes no mercado brasileiro. Exemplos disso não faltam. Em 2010, a rede trouxe para o Brasil a americana Newton Running, cujos tênis utilizam alta tecnologia e são cultuados por corredores e triatletas no mundo inteiro. Já em 2014, a empresa trouxe para suas lojas os tênis suíços da marca On Running, que graças à tecnologia exclusiva CloudTech®, conseguem elevar a outro patamar o conforto durante a corrida. Isto porque, quando o corredor atinge o chão, as “nuvens” (clouds) de borracha altamente adaptáveis estrategicamente instaladas na sola, amortecem as forças verticais e horizontais para um pouso suave, longe de dores e lesões.


A Track&Field sempre primou por desenvolver tecnologias de ponta para melhorar a performance esportiva e aumentar o conforto. Uma das tecnologias que deixam a prática de esportes com muito mais desempenho é o Thermodry®, um tecido exclusivo da marca, desenvolvido com microfibra de poliamida, o que deixa ele extremamente leve, sendo perfeito para a prática de atividades físicas. Sua construção permite que a transpiração passe para fora do tecido mais rápido, o que garante conforto térmico e mantém o corpo seco. Outra vantagem é que o tecido possui acabamento antimicrobiano, que evita a proliferação de bactérias causadas pelo suor. Outras tecnologias desenvolvidas pela marca são a Ultramax Stretch® e CoolcottonPima®, que garantem, respectivamente, secagem rápida da peça e o toque macio da fibra natural, de alta qualidade, ideais para o conforto.


Para trazer o esporte cada vez mais para o dia-a-dia de todos aqueles que adotam um estilo de vida saudável, a marca criou um circuito de corridas de rua que é hoje o maior da categoria no Brasil: Track&Field Run Series. O circuito se tornou uma experiência única àqueles que buscam qualidade de vida por meio da prática esportiva. O circuito de corridas de rua é feito para pessoas apaixonadas pelo esporte, pelo bem estar físico e pelo bom relacionamento durante o lazer. Com uma ampla estrutura de apoio e limite técnico de atletas reduzido, a organização do evento preza por oferecer conforto, comodidade e segurança a cada um dos atletas participantes. Isso confere melhor andamento à prova e maior facilidade no acesso aos benefícios oferecidos na arena do evento, como estacionamento, hidratação, frutas na chegada, entre outros. Além disso, os inscritos ainda recebem o diferenciado kit atleta da prova que conta com uma camiseta Thermodry®, produto exclusivo da Track&Field. Com início em 2004, o circuito de corrida mais charmoso do Brasil atrai milhares de atletas pelas ruas do país. Em 2015, foram 60 etapas em 30 cidades brasileiras. A marca acompanha as vitórias e conquistas de mais de 120 mil corredores que, etapa a etapa superam cada vez mais seus limites.


A identidade visual 
O logotipo da marca pode ser aplicado de duas maneiras: na horizontal ou na vertical.


Dados corporativos 
● Origem: Brasil 
● Fundação: 1 de fevereiro de 1988 
● Fundador: Fred Wagner, Alberto Azevedo e Ricardo Rosset 
● Sede mundial: São Paulo, Brasil 
● Proprietário da marca: Fratex Ind. e Comércio Ltda. 
● Capital aberto: Não 
● Presidente: Fred Wagner 
● Faturamento: Não divulgado 
● Lucro: Não divulgado 
● Lojas: 130 
● Presença global: 2 países 
● Presença no Brasil: Sim 
● Funcionários: 300 
● Segmento: Vestuário esportivo 
● Principais produtos: Roupas, calçados e acessórios esportivos e moda praia 
● Concorrentes diretos: Nike, New Balance, Speedo, Asics e Adidas 
● Website: www.tf.com.br 

A marca no mundo 
Atualmente a Track&Field, principal grife brasileira de moda esportiva especializada em moda fitness e praia, possui 126 lojas em 20 estados brasileiros, além de quatro unidades nos Estados Unidos, localizadas nas cidades de Nova York, Los Angeles, Miami e Charlotte. 

Você sabia? 
● A Track&Field carrega em seu DNA o triathlon e a alta performance. No decorrer dos anos, a marca evoluiu acompanhando o comportamento do consumidor e, atualmente, oferece produtos para quem procura um estilo de vida saudável e ativo, sem perder de vista os atletas que sempre estiveram no foco da Track&Field. 


As fontes: as informações foram retiradas e compiladas do site oficial da empresa (em várias línguas), revistas (Isto é Dinheiro, Exame e Época Negócios), jornais (Meio Mensagem, Estadão e Folha), sites especializados em Marketing e Branding (Mundo do Marketing) e Wikipedia (informações devidamente checadas). 


Última atualização em 20/5/2016

11.5.16

LANVIN


Com mais de um século de uma rica tradição no mundo da moda, as roupas e acessórios da marca francesa LANVIN se transformaram em ícones de vestir-se bem e manter-se antenada com as principais tendências mundiais. Não é exagero afirmar que a LANVIN consolidou-se como uma das marcas mais emblemáticas e responsáveis por transformar a moda naquilo que conhecemos hoje. Não por menos, é a marca escolhida por nove entre dez atrizes de Hollywood. Beldades como Cate Blanchett, Juliane Moore, Diane Kruger e Meryl Streep (que usou um estonteante longo dourado ao receber seu Oscar, em 2012). 

A história 
Jeanne-Marie Lanvin nasceu no dia 1 de janeiro de 1867 na cidade de Paris, em uma família modesta e começou a trabalhar com apenas 11 anos de idade. Aos 13, ela já era aprendiz de moda fazendo delicados chapéus. Nesta época seu talento já era evidente. Em 1889, sem nenhum financiamento, somente utilizando suas economias, inaugurou em Paris, na esquina da Rue Boissy d’ Anglas e Rue du Faubourg Saint-Honoré, sua primeira loja para comercializar sofisticados chapéus. Sua vida começou a mudar com o nascimento em 1897 de sua filha Marguerite di Pietro. Fruto de seu casamento com o Conde Emilio De Pietro, um nobre de origem italiana, ela começou a desenhar roupas e vestidos altamente sofisticados para a pequena Marguerite. Não demorou muito para suas clientes se interessarem pelos trajes e passarem a fazer encomendas para suas meninas também. Com o passar do tempo, a estilista começou também a vestir as mães, até que no ano de 1909 a MAISON LANVIN foi oficialmente fundada e passou a integrar o Chambre Syndicale de la Haute Couture (sindicato da Alta-Costura). Em honra a história da grife, até hoje é fabricada e comercializada a linha Lanvin Petite, que veste crianças com estilo e sofisticação.


Neste momento Jeanne Lanvin quebrava paradigmas, já que o mundo da alta costura era dominado pelos homens. Ela tinha uma postura de vanguarda para época, trabalhando as linhas arquitetônicas e um romantismo único. Sua linha principal era a de vestidos, o primeiro de noiva foi apresentado em 1911, mas também trabalhou os vestidos chemisiers, e um tom de azul que sempre aparecia em suas coleções acabou sendo conhecido como o “azul Lanvin”. Poucos estilistas souberam trabalhar com tanta propriedade as formas como a Madame Lanvin. Seus vestidos eram quase obras de arte, amava os tecidos fluidos, as rendas e os lamês. Eram inspirados em formas vitorianas suavizadas e generosamente adornados com bordados, e uma severidade muitas vezes atenuada por babados. Ela também era fascinada por civilizações, se inspirou muitas vezes no Egito, no norte da África, Europa Central e América do Sul para criar verdadeiras obras luxuosas com tecidos. Para ampliar sua linha de produtos, em 1913, começou a fabricar belos e luxuosos casacos de pele. Às vésperas da Primeira Guerra Mundial, ela criou os chamados robes de style, com cintura marcada e saias fartamente rodadas, que estiveram em moda, com pequenas modificações, até o início dos anos de 1920.


Jeanne Lanvin foi uma grande mulher de negócios, e nos anos seguintes chegou a empregar 800 pessoas, trabalhou também com roupas esportivas (1923), moda masculina (1926), lingeries, decoração e teve até uma fábrica de tintas, quando do seu cuidadoso estudo das cores surgiu à conhecida “paleta Lanvin”. Como manda a cartilha das tradicionais Maisons francesas da alta costura a LANVIN também teve de lançar a sua própria fragrância. Por isso, em 1927, surgiu o perfume Arpège, como presente de aniversário de Jeanne para sua filha. O clássico perfume inspirado no som das notas de piano tocadas por Marguerite suplantou o sucesso de My Sin, lançado em 1925. O frasco esférico de Arpège era embelezado por uma ilustração de Jeanne e Marguerite a caminho de um baile de gala, figura que viria, em 1954, a tornar-se o logotipo da marca.


Com a morte de Jeanne no dia 6 de julho de 1946, aos 79 anos, o comando dos negócios passou para a filha então conhecida como Marguerite Marie Blanche. Jeanne dizia que suas únicas paixões eram sua filha e sua marca. Ela deixou um legado precioso, fazendo de seu nome sinônimo de lifestyle com linhas de cosméticos, decoração e perfumes. Pouco depois, a direção criativa da grife foi assumida por Antonio del Castillo, que desde sua primeira coleção, apresentada em 1951, seguiu sempre de perto o estilo da fundadora. Quando Castillo deixou a Maison, em 1962, para abrir seu próprio negócio, foi sucedido por Jules François Crahay, que vinha do ateliê de Nina Ricci. Nas décadas seguintes a LANVIN cresceu pouco e não era vista como uma das principais marcas de luxo do mundo. Depois de ser comprada em 1990 pela Orcofi Group, a grife francesa foi vendida em 1996 para a L’Oréal.


No ano de 2001 a marca francesa foi adquirida pela empresária e filantropista taiwanesa Shaw Wang Lang. E foi justamente ela a responsável por colocar o marroquino Alber Elbaz no posto de diretor criativo para conduzir a marca ao século 21. Continuando a tradição maternal de Jeanne, criou a linha de noivas Blanche - nome do meio de Marguerite Lanvin - que segue a mesma premissa das outras linhas da grife: o conforto. Foi responsável por lançar em 2010 uma coleção cápsula em parceria com a rede de moda sueca H&M, composta por 30 peças e 15 acessórios, que se transformou em um imediato sucesso. Além disso, comandou o lançamento do comércio eletrônico e a abertura de lojas próprias em várias importantes cidades do mundo. Como por exemplo, em 2009 quando abriu sua primeira loja em solo americano; ou em 2012 quando inaugurou uma loja em São Paulo, no Shopping JK Iguatemi (a única na América Latina). Entre os best-sellers, além dos longos e cocktail dresses, peças mais informais, como camisas de seda, saias lápis, calças de alfaiataria e sapatilhas bailarina. A loja fechou no final de 2015, mas não em virtude da crise, e sim em discordância com o parceiro local.


O ano de 2013 marcou uma das últimas conquistas de Elbaz como diretor criativo da LANVIN, quando a marca se tornou responsável pelo equipamento oficial da equipe de futebol do Arsenal. O talentoso estilista permaneceu em seu posto por 15 anos, sendo responsável por conduzir a LANVIN novamente ao topo da lista das mais importantes marcas do mundo da moda. É importante ressaltar a qualidade do trabalho de Elbaz, que soube fazer uma leitura precisa dos valores da marca, trabalhando com maestria a modernidade sem perder a essência que é o romantismo e a fluidez. Em seu lugar foi anunciada, no mês de março de 2016, a francesa Bouchra Jarrar, uma estilista minimalista que tem tudo para transformar o estilo da marca por completo.


Um dos segredos para se manter viva e sempre em evidência em um universo de tamanha competitividade e dinamismo foi a diversificação e a facilidade de se transformar e de remodelar seus próprios paradigmas em igualdade com as mudanças sociais ao longo de tantas décadas. Hoje, as roupas e acessórios da marca LANVIN são ícones em moda feminina e masculina, dispondo de uma variedade imensa de peças que possuem em comum a paixão pelo luxo. Mesmo com mais de um século de vida, a marca francesa nunca fez parte de um grande conglomerado de luxo. Tem como marca registrada não uma bolsa específica ou uma peça extravagante e, sim, pequenos e simples laços de gorgurão, daqueles que se usam em caixas de presente.


O logotipo 
O tradicional e icônico símbolo da marca francesa foi criado pelo ilustrador e figurinista Paul Iribe em 1923 a partir de uma fotografia em que Jeanne e sua filha estão prontas para um baile de gala em 1907. A imagem em questão (a bordo de um vestido longo e um casaco imponente, uma mulher elegante segura os braços da filha, vestida à sua imagem e semelhança, com chapéu e tudo), redesenhada por Armand Albert Rateau foi imortalizada no logotipo da marca a partir de 1954 e esteve sempre calcada no relacionamento entre mãe e filha.


Hoje em dia o logotipo com este icônico símbolo é ainda utilizado em alguns produtos e como identidade visual da marca. A marca também utiliza um logotipo oficial mais simplificado, que contém apenas o nome da marca e a palavra “Paris” abaixo.


Dados corporativos 
● Origem: França 
● Fundação: 1909 
● Fundador: Jeanne-Marie Lanvin 
● Sede mundial: Paris, França 
● Proprietário da marca: Harmoine S.A. 
● Capital aberto: Não 
● CEO: Michele Huiban 
● Diretor criativo: Bouchra Jarrar e Lucas Ossendrijver 
● Faturamento: €200 milhões (estimado) 
● Lucro: Não divulgado 
● Lojas: 61 
● Presença global: 50 países 
● Presença no Brasil: Sim 
● Funcionários: 330 
● Segmento: Moda de luxo 
● Principais produtos: Roupas, calçados, acessórios e perfumes 
● Concorrentes diretos: Chanel, Gucci, Prada, Christian Dior, Valentino e Cacharel 
● Ícones: O “azul Lanvin” 
● Website: www.lanvin.com 

A marca no mundo 
Hoje em dia a LANVIN, mais antiga casa de alta-costura do mundo e especializada em moda masculina, feminina e infantil, oferece um imenso mix de roupas, calçados, perfumes e acessórios, comercializados em mais de 60 lojas próprias e outros 550 pontos de venda espalhados por mais de 50 países. A marca francesa fatura estimados €200 milhões anuais. 

Você sabia? 
Apesar da Maison Lanvin ter surgido oficialmente somente em 1909, Jeanne inaugurou seu primeiro negócio em 1889, uma chapelaria. Por isso, em 2014 a marca francesa completou 125 anos de vida. 
Os perfumes da marca são um caso à parte, com nomes provocativos como Scandal, Rumeur, Prétexte, Mon Peché (nos Estados Unidos, traduzido como My Sin, ou Meu Pecado) e Arpège (homenagem à filha que era pianista). 
O estilista brasileiro Ocimar Versolato também atuou como diretor criativo na Maison LANVIN, entre 1996 e 1998. 


As fontes: as informações foram retiradas e compiladas do site oficial da empresa (em várias línguas), revistas (Fortune, Forbes, BusinessWeek, Marie-Claire, Elle e Vogue), canais de TV (GNT), sites especializados em Marketing e Branding (BrandChannel e Interbrand), Wikipedia (informações devidamente checadas) e sites financeiros (Google Finance, Yahoo Finance e Hoovers). 

Última atualização em 11/5/2016