23.1.15

EVERNOTE


A empresa americana EVERNOTE, uma das mais inovadoras do mundo, propõe ajudar o mundo a lembrar de tudo, a se comunicar de forma eficiente, concluir tarefas e manter-se organizado e produtivo através de aplicativos que estão definindo a maneira como as pessoas e as equipes trabalham. Sendo um espaço de trabalho único que gira em torno do telefone, tablet ou computador, o EVERNOTE é o melhor local para escrever, reunir informações, encontrar o que precisa e apresentar ideias ao mundo. Seja no que for que você esteja trabalhando para alcançar, o aplicativo tem como missão garantir que você chegue lá. Em um mercado onde todo serviço é social, o aplicativo orgulha-se de ignorar seus contatos. O EVERNOTE não liga para os seus amigos, só para você e suas coisas. 

A história 
Tudo começou com o russo Phil Libin, que havia abandonado o curso de ciências da computação na Universidade de Boston para fundar empresas de comércio eletrônico e softwares de segurança, que posteriormente seriam vendidas. Ele estava trabalhando em sua terceira startup para criação de um aplicativo de notas, quando ficou sabendo de outra equipe desenvolvendo um software similar. E pensou, por que não unir esforços. E foi exatamente isso que ele fez ao se juntar a Stepan Pachikov (doutor em lógica difusa pela Academia das Ciências da antiga União Soviética) e Aron Katz na empresa EVERNOTE, que havia sido oficialmente constituída no dia 1 de julho de 2007 para desenvolver o ambicioso projeto. Finalmente no dia 24 de junho de 2008 o EVERNOTE foi lançado publicamente em sua versão beta. E tinha um objetivo ousado: criar um cérebro externo que tornaria todos mais inteligentes. Seu grande atrativo: fazer as notas armazenadas no aplicativo serem acessadas no computador, no smartphone ou no tablet das mais variadas plataformas. Mais que um bloco de notas, a ideia por trás do produto era muito mais ampla. Ele nasceu para ser um cérebro externo, com o objetivo de ampliar a inteligência e capacidade humana.


Diferentemente do que pode se imaginar, o início não foi tão brilhante. As primeiras tentativas da empresa para levantar investimentos fracassaram. O apoio foi surgindo aos poucos através de seus usuários, que começaram a perceber grande utilidade na ferramenta, pagando para obter todos os recursos. Milhares de usuários gratuitos se converteram em assinantes pagos do serviço, ampliando assim sua base, o que atraiu os olhos de investidores para a capacidade de gerar receita da empresa. Os investimentos começaram em 2010, provando que seu modelo de negócios poderia ser rentável. Desde então foram mais de US$ 290 milhões em investimentos.


Essas rodadas de investimentos permitiram ampliar o dinheiro empregado na melhoria do aplicativo e em marketing, criar novos e melhores produtos, aumentar a presença internacional e expandir a plataforma com aquisições estratégicas, como por exemplo, o Skitch, que facilita a criação, formatação e edição de imagens, especialmente anotações ou legendas. O aplicativo, que surgiu como um serviço de bloco de notas na nuvem para armazenar dados relevantes, passou então a ser um bloco de notas multimídia, que coleta e guarda na nuvem fotografias, páginas da internet e gravações de áudio, além de texto, para referência futura, e sincroniza tudo em laptops, tablets e smartphones. Também levou a empresa a lançar uma versão do programa para uso corporativo. Batizado de EVERNOTE BUSINESS conecta-se com o sistema empresarial desenvolvido pela Salesforce, uma das empresas líderes em gerenciamento do relacionamento com os clientes. A ideia é facilitar a vida de quem precisa “caçar” informações relativas de um cliente que estão espalhadas pela empresa. Em 2013 a empresa anunciou novos recursos para o aplicativo: Context, onde através de uma aliança com a empresa de conteúdo Dow Jones oferece informação relevante e contextualizada aos usuários; e Work Chat, que permite as pessoas que trabalham em um mesmo projeto se comunicarem entre si e colaborarem nas notas do grupo e individuais.


O modelo de negócios da EVERNOTE é oferecer um produto gratuito, dando a opção para o usuário pagar ou não por uma experiência mais completa através de uma conta premium. Desta forma, busca satisfazer o cliente a ponto de convencê-lo a pagar pelo serviço. Para a empresa os produtos são secundários. O objetivo primário deles é estabelecer uma cultura e modelo de negócios voltados à inovação. Isso não significa que a empresa irá deixar o famoso aplicativo de lado, muito pelo contrário, todo esse potencial inovador será voltado à melhoria dos produtos. A sede da empresa está localizada em Redwood City, no coração do Vale do Silício, na Califórnia. Seguindo o padrão da região, na sede da empresa não há salas especiais para executivos. A mesa do CEO da empresa é mais uma em meio a várias outras. Pode-se desenhar nas paredes e as férias são ilimitadas, desde que o funcionário cumpra seu trabalho. O objetivo das regalias é ter uma equipe empenhada em aperfeiçoar o bloco de notas e outros sete produtos secundários da empresa, entre os quais EVERNOTE FOOD, aplicativo para armazenamento de experiências com comida; EVERNOTE HELLO, uma agenda de contatos; e EVERNOTE CLEARLY, que permite salvar postagens de blogs, artigos e textos da internet para lê-los em qualquer lugar.


O enorme envolvimento dos fãs resultou em uma base de usuários tão fervorosos que a empresa “nomeia” alguns dos mais ativos como “embaixadores”, para ajudar a acelerar a adoção do aplicativo por mais pessoas. Alimentado por este boca a boca, a empresa mantém um ritmo constante de crescimento, com 100 mil novos usuários por dia. Uma parcela mínima deste grupo paga pelo EVERNOTE, o que ainda torna o serviço deficitário. Foi justamente por isso, para fazer com que se pague, a empresa apostou no lançamento de uma versão para grandes empresas. No Brasil a plataforma oferece três tipos de serviço, sendo o mais básico gratuito, outro com assinatura premium de R$ 10 por mês e o terceiro voltado para o mercado corporativo, com um custo de R$ 20 por mês. Diferente de serviços de armazenamento em nuvem, como por exemplo, Dropbox e Google Drive, o EVERNOTE pretende ser uma ferramenta de trabalho para indexação e troca de dados e informações.
 

Dados corporativos 
● Origem: Estados Unidos 
● Fundação: 1 de julho de 2007 
● Fundador: Aron Katz, Stepan Pachikov e Phil Libin 
● Sede mundial: Redwood City, Califórnia, Estados Unidos 
● Proprietário da marca: Evernote Corporation 
● Capital aberto: Não 
● Chairman: Aron Katz 
● CEO: Phil Libin 
● Faturamento: US$ 100 milhões (estimado) 
● Lucro: Não divulgado 
● Usuários: 120 milhões 
● Presença global: 90 países 
● Presença no Brasil: Sim 
● Maiores mercados: Estados Unidos, China, Brasil e Japão 
● Funcionários: 450 
● Segmento: Tecnologia 
● Principais produtos: Aplicativos e softwares 
● Concorrentes diretos: Microsoft, Google, Igloo e Wrike 
● Ícones: O elefante 
● Slogan: Remember everything. 
● Website: www.evernote.com 

A marca no mundo
Atualmente são mais de 120 milhões de usuários em 90 países ao redor do mundo que utilizam os aplicativos e produtos da EVERNOTE. Apesar da empresa estar sediada nos Estados Unidos, grande parte de seus usuários não se concentram na América do Norte. A região com mais consumidores é a Ásia-Pacífico, com mais de 35 milhões de usuários. Depois aparecem Europa, Oriente Médio e África, com 31 milhões, e – aí sim – Estados Unidos e Canadá, com mais de 27 milhões. Na América Latina são 8 milhões de pessoas. Só no Brasil, que está entre os três mercados mundiais para a empresa, são mais de 3 milhões de usuários, o que torna o país um dos mais importantes e interessantes para a EVERNOTE. Hoje em dia o EVERNOTE é o quinto aplicativo mais baixado do mundo. Apesar de não ser rentável até hoje, a empresa está construindo as fundações para garantir o fluxo positivo de caixa, com novos produtos, novos mercados e ampliação da base de usuários. 

Você sabia? 
O EVERNOTE é tão popular no Japão que existem mais de 30 livros que ensinam como usar o aplicativo. 
A empresa tem sua própria nuvem, investe muito em segurança e, sobretudo, não faz publicidade em seu aplicativo. 
Elefantes são famosos por terem uma ótima memória. Na verdade, eles nunca se esquecem. E, não por coincidência, o símbolo do logotipo do EVERNOTE é um elefante. 


As fontes: as informações foram retiradas e compiladas do site oficial da empresa (em várias línguas), revistas (BusinessWeek, Época Negócios, Exame e Isto é Dinheiro), sites de tecnologia (Business Insider e Showmetech), sites especializados em Marketing e Branding (BrandChannel e Mundo do Marketing), Wikipedia (informações devidamente checadas) e sites financeiros (Google Finance, Yahoo Finance e Hoovers). 

Última atualização em 23/1/2015

14.1.15

THE SALVATION ARMY (EXÉRCITO DE SALVAÇÃO)


THE SALVATION ARMY, conhecido no Brasil como EXÉRCITO DE SALVAÇÃO, é uma das instituições de ajuda humanitária mais atuante no mundo. Há mais de um século esta respeitada instituição contribui diretamente para o bem estar da sociedade mundial. Os programas e projetos se estendem pelo mundo todo, pois não há fronteiras que o EXÉRCITO DE SALVAÇÃO não ultrapasse para ajudar da melhor maneira possível quem necessita. 

A história 
Tudo começou na região leste da cidade de Londres em pleno auge da Revolução Industrial. Era 1865 quando o pastor metodista William Booth contou para seu filho sobre os inúmeros moradores de rua dormindo em bancos nas margens do rio Tamisa, e obteve uma resposta simples: “Vá e faça alguma coisa”. E William fez. Juntamente com sua mulher, Catherine Mumford, fundou no dia 5 de julho a organização Missão Cristã do Leste de Londres, cuja missão era ajudar os mais necessitados suprindo as necessidades espirituais e físicas que afligiam milhares de homens, mulheres e crianças. No natal de 1878 ele reorganizou a instituição, dando-lhe um caráter militar e mudando seu nome para THE SALVATION ARMY (em português Exército de Salvação). Enquanto William pregava aos pobres e miseráveis, Catherine contatava os ricos, conseguindo assim apoio financeiro para a continuidade do trabalho. Ela também atuava como ministra religiosa, o que era bastante incomum naquela época. William Booth logo se ficou conhecido como General e sua esposa Catherine como a Mãe do Exército de Salvação.


William descrevia o lema da organização como os três “S”, que representavam a melhor maneira de como o EXÉRCITO DE SALVAÇÃO atuava: primeiro a Sopa, depois o Sabão e por fim a Salvação. Os primeiros membros da organização eram alcoólatras, viciados e prostitutas convertidos ao protestantismo. Muitos destes, em função da busca por uma vida de acordo com os princípios morais do cristianismo protestante, mudavam seus hábitos de vida. À medida que o EXÉRCITO DE SALVAÇÃO se expandia, também crescia a oposição ao movimento na Inglaterra. Os oponentes da instituição se reuniam no chamado “Exército Esqueleto” (Skeleton Army), para perturbar os encontros do EXÉRCITO DE SALVAÇÃO e suas atividades sociais. Muitos oponentes, que chegavam a agredir fisicamente os membros salvacionistas, eram proprietários de tabernas e bares que estavam perdendo seus clientes, ao passo que novas pessoas largavam o vício e se uniam ao EXÉRCITO DE SALVAÇÃO. Mas William insistiu em suas ações, fornecendo abrigo e alimento, buscando náufragos e vítimas de acidentes, cuidando de emprego e saúde, conciliando famílias, criticando a superexploração do trabalhador e combatendo a prostituição.


A partir do fim do século XIX e início do século XX o trabalho humanitário do EXÉRCITO DE SALVAÇÃO se expandiu rapidamente para outros países como Estados Unidos (1880), Austrália (1881), França (1881), Índia (1882), Canadá (1882), África do Sul (1883), Alemanha (1886), Argentina (1890), Uruguai (1890), Japão (1895), Coréia (1908) e Chile (1909). Convidado para importantes cerimônias, como por exemplo, a coroação de Eduardo VII ou a abertura da sessão legislativa do Senado Americano, William Booth faleceu no dia 20 de agosto de 1912. Em sessenta anos como evangelista, Booth viajou cinco milhões de milhas, pregou quase 60.000 sermões e seu espírito hipnótico atraiu 16.000 oficiais (membros) para seguir a bandeira do EXÉRCITO DE SALVAÇÃO em 58 países, para pregar o evangelho em 34 línguas.


No Brasil a organização passou a atuar em 1922 com a chegada de David Miche e Stelle Miche na cidade do Rio de Janeiro. Foram recebidos com simpatia por muitos brasileiros que já conheciam o trabalho da organização no hemisfério norte, mas com alguma desconfiança por aqueles que não conheciam a missão da instituição. Sempre preocupado com a miséria existente no país, já em 1928 foi criado um espaço na cidade de Santos para atender aos marinheiros expostos a perigos e dificuldades próprias da profissão. Pouco depois, em 1931, trabalho parecido foi desenvolvido na cidade do Rio de Janeiro, sempre visando o resgate do ser humano de situações degradantes. Ao longo dos anos o EXÉRCITO DE SALVAÇÃO passou a atender diversos grupos sociais no território brasileiro, que tinham em comum o desamparo social, a falta de perspectivas de vida e futuro.


No Brasil em 2000 foi criado o programa de lojas beneficentes, batizadas de Salvashopping, que desde então tem atuado como verdadeiro parceiro da população de baixa renda nas cidades de São Paulo e Rio de Janeiro. As lojas beneficentes atuam em diversos países ao redor do mundo e têm por finalidade criar oportunidades para que as pessoas possam apoiar a missão do EXÉRCITO DE SALVAÇÃO. Isso se dá através da coleta de doações em domicílio e da venda dos objetos doados nos bazares tais como roupas, móveis e eletrodomésticos que, depois de classificados e avaliados, são comercializados ao público em geral. O programa também é uma oportunidade para ação social na captação de recursos e na criação de empregos para jovens iniciantes no mercado de trabalho. Todos os recursos gerados são empregados na manutenção das diversas atividades sociais do EXÉRCITO DE SALVAÇÃO. O valor é revertido para os programas assistenciais mantidos pela instituição tais como centros comunitários, creches, centros integrados, clínicas médicas e lares para idosos.


Hoje em dia, o trabalho social do EXÉRCITO DE SALVAÇÃO é bastante diversificado, divido em três grandes áreas: Assistencial (compreende a organização e manutenção de programas de proteção à família, à maternidade, à infância, à adolescência e à velhice, de abrigos para gestantes e mulheres, crianças e adolescentes em situação de risco ou carentes, pessoas idosas e necessitadas em geral, e de clínicas médicas, dentárias e serviços à comunidade), Promocional (compreende a organização e manutenção de programas de promoção humana, tais como residência para estudantes, instituições de longa permanência para a terceira idade e promoção de cursos, seminários, profissionalização, entre outros) e Educacional (compreende a organização e manutenção de programas de educação infantil, de apoio escolar, escolas e cursos). Destaca-se também o atendimento a situações de emergência em todo o mundo.


Nos últimos anos o EXÉRCITO DE SALVAÇÃO tem trabalhado intensamente para servir à humanidade que sofre com situações degradantes e grandes catástrofes através de ações como o auxílio à população de Santa Catarina atingida pelas enchentes de 2007, às vítimas da Guerra do Iraque, aos desabrigados de desastres naturais como o Furacão Katrina nos Estados Unidos e o devastador Tsunami que literalmente “varreu” alguns países da Ásia e a promoção de programas de apoio aos portadores de AIDS no continente africano. Com isso, a instituição tem aliviado o sofrimento de milhares de pessoas ao redor do mundo.


A evolução visual 
O tradicional logotipo da marca, um escudo vermelho, foi adotado em 1901. Ao redor do mundo THE SALVATION ARMY adota outros nomes de acordo com idiomas locais, como por exemplo, no Brasil (EXÉRCITO DE SALVAÇÃO), na Itália (ESERCITO DELLA SALVEZZA) e em países de língua espanhola (EJÉRCITO DE SALVACIÓN) e francesa (ARMÉE DU SALUT). Apesar da diferença entre os nomes, o logotipo da marca é utilizado com sua estrutura original, com pequenas diferenças entre os tons de vermelho.


O logotipo utilizado no Brasil mantém a estrutura original, porém com contornos mais modernos.


Os slogans 
Doing the most good. 
Transforming lives in every community. Strength 
For Today, Hope For Tomorrow.


Dados corporativos 
● Origem: Inglaterra 
● Fundação: 5 de julho de 1865 
● Fundador: William Booth e Catherine Mumford 
● Sede mundial: Londres, Inglaterra 
● Proprietário da marca: The Salvation Army 
● Capital aberto: Não (Organização religiosa e filantrópica) 
● Líder: André Cox 
● Membros: 1.600.000 
● Arrecadação: Não divulgado 
● Presença global: 126 países 
● Presença no Brasil: Sim 
● Funcionários: 110.000 
● Segmento: Terceiro setor 
● Principais serviços: Hospitais, maternidades, clínicas de reabilitação, abrigos e ajudas humanitárias 
● Organizações semelhantes: Cruz Vermelha, Médicos Sem Fronteiras, Anistia Internacional e United Way 
● Ícones: O escudo vermelho 
● Slogan: Doing the most good. 

A marca no mundo 
Atualmente THE SALVATION ARMY, uma das maiores instituições de caridade e ajuda humanitária do mundo, está presente em 126 países através de igrejas, lojas beneficentes, abrigos, centros comunitários, hospitais, escolas, lares para idosos, creches, centros de recuperação, veículos e equipes de emergência. A organização prega a palavra de Deus em mais de 175 idiomas, aliando seu trabalho evangelístico a um cunho social intenso. No Brasil o EXÉRCITO DE SALVAÇÃO mantém 27 unidades de atendimento social, agrupadas em abrigos, centros de educação infantil, apoio sócio educativo em meio aberto, centros integrados, apoio ao idoso e residência de estudantes, além de 46 igrejas em diversos estados. 

Você sabia? 
O EXÉRCITO DE SALVAÇÃO herdou do metodismo a maior parte de suas crenças e tradição doutrinária, e por isso se inclui na igreja de origem Wesleyana. As igrejas são chamadas “corpos” e os membros são denominados “soldados”. Os membros usam uniforme e há uma hierarquia de característica militar, onde os pastores e bispos são “capitães”, “majores”, “coronéis” e “comissários”. 
O EXÉRCITO DE SALVAÇÃO é extremamente conhecido por suas orquestras/bandas, formadas pelos membros das igrejas ao redor do mundo. A principal função dessas bandas é auxiliar musicalmente nas reuniões e também divulgar a obra da instituição em locais abertos. A banda “mais prestigiada” é a International Staff Band, fundada em 1891. 


As fontes: as informações foram retiradas e compiladas do site oficial da empresa (em várias línguas), revistas (Fortune, Forbes, Newsweek, BusinessWeek e Time), sites especializados em Marketing e Branding (BrandChannel e Interbrand) e Wikipedia (informações devidamente checadas). 

Última atualização em 14/1/2015

26.12.14

TURKISH AIRLINES


A TURKISH AIRLINES é considerada hoje uma das maiores e melhores companhias aéreas do mundo. Mas nem sempre foi assim. Durante décadas a companhia aérea turca foi associada a serviços ruins, péssima infraestrutura e inúmeros acidentes fatais. Mas com um pesado investimento conseguiu reverter este cenário e se tornou uma das estrelas atuais da aviação mundial, oferecendo serviços de altíssima qualidade, padrão internacional e muita segurança e rigor em seus voos. Além é claro de uma hospitalidade sensacional. Tudo para tornar a viagem uma experiência inesquecível. 

A história 
Tudo começou exatamente no dia 20 de maio de 1933 quando o Governo da Turquia criou a State Airlines Administration, companhia aérea sediada na cidade de Ancara e sob a dependência do Ministério da Defesa. A companhia aérea iniciou suas operações com uma frota de apenas cinco aeronaves que realizavam voos regionais para as principais cidades turcas. Em 1938 a frota foi ampliada para oito aeronaves e 64 assentos de capacidade. Já em 1945, com o aumento da frota, a companhia aérea servia 19 cidades turcas. Pouco depois, em 1947, a companhia aérea inaugurou sua primeira rota internacional, que ligava as cidades de Anacara e Istambul à Atenas na Grécia. Dois anos mais tarde, a aquisição de aeronaves Douglas DC-3 e Douglas C-47 possibilitou a expansão de suas rotas. Com isso, em 1951, a empresa passou a oferecer mais destinos internacionais, como por exemplo, para as cidades de Nicosia, Beirute e Cairo.


No dia 21 de maio de 1951 a companhia aérea adotou oficialmente o nome de TURKISH AIRLINES. No final desta década, quando o número de passageiros transportados superou 394 mil, a empresa abriu escritórios de vendas em importantes cidades europeias, como por exemplo, Roma e Atenas. Já no início da década de 1960, a empresa ampliou suas rotas internacionais com a inauguração de voos para as cidades de Frankfurt, Viena, Bruxelas, Munique, Tel Aviv e Amsterdã. Já no início dos anos de 1970 a TURSKISH AIRLINES tinha uma frota de 22 aeronaves (com capacidade para transportar 1.900 passageiros), que voavam para vários destinos internacionais e nacionais. Apesar do enorme crescimento, a TURKISH AIRLINES passou a ter a imagem associada a serviços ruins, inúmeros atrasos e muitos acidentes, que deixaram uma enorme quantidade de vítimas fatais. Foi então, que no início dos anos de 1980, o Governo Turco reconheceu a companhia aérea como embaixadora global do país e iniciou um enorme processo de reestruturação. Novas e modernas aeronaves foram adquiridas, os serviços (tanto em terra como a bordo) adotaram padrões excepcionais de qualidade, os atrasos foram reduzidos a níveis internacionais e o serviço de atendimento melhorado bastante.


E não parou por aí. A TURKISH AIRLINES iniciou a implantação de mimos, como por exemplo, em 1983, quando publicou sua primeira revista de bordo. Ou em 1985 quando ocorreu a implantação dos serviços de primeira classe, iniciados nos voos para as cidades de Jeddah e Londres, e mais tarde incorporado em outras rotas. Neste mesmo ano aeronaves Airbus A310 passaram a integrar sua frota, aumentando assim a capacidade de transporte. Os anos se passaram e a companhia aérea integrou aviões Boeing 737, em 1991 e, dois anos mais tarde, em 1993, aeronaves Airbus A340, além de adotar uma nova ambientação interna em seus aviões, que primava pelo conforto e praticidade e um incremento nos serviços de alimentação, com a adição de vários novos cardápios, especialmente nos voos internacionais. Mas a companhia aérea também sofreu com a crise que assolou a aviação mundial neste período. No entanto, o negócio foi crescendo novamente nos anos seguintes, principalmente com o aumento de voos e destinos na América do Norte. Com isso, a companhia aérea inaugurou voo direto para Nova York em julho de 1994. Em 2000, a empresa lançou seu atual programa de milhagem, batizado de Miles & Smiles. Em 2004 a TURKISH AIRLINES instalou desfibriladores em todos os seus aviões, demonstrando assim a preocupação da empresa com a segurança a bordo.


Durante décadas como uma companhia estatal, a TURKISH AIRLINES foi finalmente privatizada em 2005. A partir deste momento, com investimentos maciços em infraestrutura, treinamento de atendimento e modernas aeronaves, tornou-se uma das empresas com crescimento mais rápido entre as companhias aéreas europeias, em termos de capacidade e de aumento de tráfego. Com isso, foram inaugurados novos destinos, como as rotas para Abu Dhabi, Belgrado, Veneza, Osaka, Minsk, além de voos diretos para Singapura. Nesta época, quem pagava para voar em uma das cem aeronaves da TURKISH AIRLINES não se arrependia, afinal o atendimento se tornou impecável e começava bem antes do embarque, principalmente no check-in. A empresa passou a oferecer mimos muito especiais, como por exemplo, um city-tour gratuito para passageiros em conexão internacional, que não excedia 24 horas. O passeio, chamado de Touristanbul, dava direito a conhecer os encantos da capital turca e contava com guia turístico que falava inglês. Uma prova deste comprometimento da empresa com a qualidade de seus serviços pode ser comprovado em 2007, quando recebeu a classificação de 4 estrelas da Skytrax, sendo reconhecida como a companhia aérea com menor taxa de bagagens perdidas.


No ano seguinte, além de registrar mais de 19 milhões de passageiros transportados em uma de suas 132 aeronaves, a TURKISH AIRLINES passou a integrar a Star Alliance, aliança global criada em 1997, e atualmente capaz de oferecer mais de 21.900 voos diários para 1.328 destinos em 195 países. A empresa seguiu aumentando gradativamente sua área de atuação e busca de novos destinos e mercados. Com isso, passou a atuar no Brasil no mês de abril de 2009. Hoje em dia a empresa voa todos os dias de São Paulo para Istambul, na Turquia, com conexões para Europa, Oriente Médio, Ásia e África. E ainda oferece a rota São Paulo – Buenos Aires diariamente. Investindo cada vez mais para se tornar uma marca global, seus voos internacionais se tornaram famosos pelo conforto e diferencial em relação às concorrentes.


Em 2013, para celebrar os 80 anos de história e a força da marca TURKISH AIRLINES junto aos clientes em todo o mundo, a companhia aérea lançou uma fragrância exclusiva, batizada de TK 1933, com referência ao código de voo da companhia (TK) e o ano de sua fundação (1933). A proposta é permitir um reconhecimento sensorial da marca globalmente e, ao mesmo tempo, proporcionar uma sensação de relaxamento, felicidade, confiança, paz, prazer e serenidade. A fragrância passou a fazer parte da identidade corporativa da TURKISH AIRLINES presente nas aeronaves, lounges e nos escritórios de venda de passagens, além de ventos da marca.


Toda a excelência dos serviços prestados, tanto em terra como em ar, pode ser confirmada em 2014, quando a empresa conquistou o Skytrax World Airline Awards como a melhor companhia aérea da Europa pelo quarto ano consecutivo. A Skytrax também premiou a companhia aérea turca como melhor classe executiva, melhor serviço de refeições oferecido em lounges de classe executiva e ainda recebeu reconhecimento pelo seu serviço de catering. E as premiações não pararam por aí. A TURKISH AIRLINES foi eleita a 5ª melhor companhia aérea do mundo, no mais recente ranking da Skytrax, espécie de Oscar das companhias aéreas mundiais, atrás apenas da Cathay Pacific Airways, Qatar Airways, Singapore Airlines e Emirates.


Campanhas que fizeram história 
Nos últimos anos a companhia aérea turca tem investido milhões de dólares em campanhas de marketing. A excelência de seus serviços fez com que a TURKISH AIRLINES fosse nomeada transportadora oficial de clubes como Barcelona, Manchester United e Borussia Dortmund. Além disso, contratou grandes estrelas mundiais para protagonizarem suas campanhas publicitárias, como por exemplo, o jogador de basquete Kobe Bryant, a tenista dinamarquesa Caroline Wozniacki, o ator Kevin Costner, e os jogadores de futebol Lionel Messi, Wayne Rooney e Didier Drogba.


Em 2012 a companhia aérea lançou sua primeira grande campanha global, estrelada pelo jogador de futebol argentino Lionel Messi e pelo astro do basquete Kobe Bryant. No filme, durante um voo, as duas estrelas, em uma atuação bem humorada, eles disputam a atenção e tentam impressionar um garoto, fazendo o que sabem de melhor ou não. No final, ambos perdem a disputa para um adversário imbatível.


A campanha foi um verdadeiro sucesso, fazendo com que em menos de 24 horas, a TURKISH AIRLINES conseguisse quase 3 milhões de visualizações para o comercial. Para assistir ao filme clique no ícone abaixo.

   

Já em 2013, a TURKISH AIRLINES repetiu a dose. Desta vez a campanha, novamente estrelada por Messi e Bryant, destacava as vantagens financeiras de voar com a companhia, a grande diversidade de destinos e ainda mostrar ao mundo o que muitos passageiros já sabiam: assim como os astros do basquete e do futebol, a companhia aérea também é craque do ar. No filme eles disputam quem viaja mais. Tudo começou após uma provocação de Messi, que enviou um “selfie” (tipo de fotografia em que a pessoa tira foto de si mesma com um celular ou uma câmera) para o celular de Kobe. Dentre as cidades visitadas pelos astros, estão Beijing, Maldivas, Bangkok, Istambul, Moscou e Cape Town. A mensagem principal da TURKISH AIRLINES é “Voa mais países que qualquer outra companhia aérea”. Para assistir ao filme clique em https://www.youtube.com/watch?v=jhFqSlvbKAM


A evolução visual 
O tradicional símbolo da marca, batizado de Wild Goose (em português “ganso selvagem”), foi criado em 1961 por Mesut Manioglu através de um concurso promovido pela empresa. A TURKISH AIRLINES apresentou sua atual identidade visual no mês de maio de 2010. Além do nome da marca ganhar mais destaque com uma tipografia de letra maior, o tradicional símbolo passou a ser aplicado em branco sobre um fundo vermelho (anteriormente era o inverso).


A pintura das aeronaves seguiu o padrão da nova identidade visual da marca. A atual pintura consiste na fuselagem branca com o nome da companhia aérea em azul, uma tulipa cinza correndo da parte de trás da asa até a cauda e a cauda vermelha com o logotipo da marca em um círculo branco.


Os slogans 
Widen Your World. (2013) 
Globally Yours. (2010) 
Feel Like A Star. (2009) 
Globalize your business. (CARGO) 
Amplie o seu mundo com a Turkish Airlines. (Brasil)


Dados corporativos 
● Origem: Turquia 
● Fundação: 20 de maio de 1933 
● Fundador: Governo da Turquia 
● Sede mundial: Istambul, Turquia 
● Proprietário da marca: Türk Hava Yollari A.O. 
● Capital aberto: Sim (1990) 
● Chairman: Hamdi Topçu 
● CEO & Presidente: Temel Kotil 
● Faturamento: US$ 8.1 bilhões (2013) 
● Lucro: US$ 295.3 milhões (2013) 
● Valor de mercado: US$ 5.5 bilhões (dezembro/2014) 
● Frota: 266 aviões 
● Destinos: 261 
● Passageiros transportados: 48.300.000 (2013) 
● Presença global: 108 países 
● Presença no Brasil: Sim 
● Funcionários: 23.160 
● Segmento: Aviação comercial 
● Principais produtos: Passagens aéreas e transporte de carga 
● Ícones: O ganso selvagem de seu logotipo 
● Slogan: Widen Your World. 
● Website: www.flyturkish.com.br 

A marca no mundo 
Hoje em dia a TURKISH AIRLINES, uma das maiores e mais antigas companhias aéreas do planeta, oferece voos para 261 destinos (entre internacionais e domésticos) em mais de 100 países através de uma moderna frota de 266 aeronaves. Com crescimento impressionante, a companhia aérea transportou em 2013 mais de 48 milhões de passageiros. Complementando o serviço de passageiros, a TURKISH CARGO fornece um serviço rápido de carga aérea, confiável e de elevada qualidade. A divisão de transportes de carga detém 50% do mercado turco, apesar de haver 70 outras companhias aéreas atuando neste segmento. Atualmente 50.88% das ações da empresa são de capital aberto, enquanto que as restantes continuam a ser detidas pelo Estado Turco. 

Você sabia? 
Dos diversos destinos que oferece a TURKISH AIRLINES, o Japão é o mais procurado. Na classe executiva, as poltronas transformam-se em camas com 1.88 metros de comprimento. E para completar, o serviço de bordo é impecável e oferece diversas opções de entretenimento e gastronomia. 
Em toda sua história a TURKISH AIRLINES já sofreu 15 acidentes, dos quais 14 com vítimas fatais. O pior acidente com uma aeronave da companhia aérea aconteceu no dia 3 de março de 1974, quando um DC-10 caiu logo depois de decolar do Aeroporto de Paris-Orly, matando 346 pessoas. No entanto, atualmente a companhia aérea turca é considerada uma das mais seguras do mundo. 


As fontes: as informações foram retiradas e compiladas do site oficial da empresa (em várias línguas), revistas (Fortune, Forbes, Newsweek, BusinessWeek, Exame e Isto é Dinheiro), jornais (Valor Econômico), sites especializados em Marketing e Branding (BrandChannel e Interbrand), Wikipedia (informações devidamente checadas) e sites financeiros (Google Finance, Yahoo Finance e Hoovers). 

Última atualização em 26/12/2014

15.12.14

NEW ERA


Quem entende do assunto sabe: existem bonés de qualidade e existe NEW ERA. Com mais de 90 anos de tradição a marca americana literalmente faz a cabeça de milhões de pessoas ao redor do mundo, permitindo que elas reflitam sua personalidade e individualidade através de um boné. Vistos em cabeças famosas e principalmente dentro dos campos das principais ligas profissionais americanas equipando com estilo grandes astros esportivos, seus bonés se transformaram em uniformes para uma enorme legião de jovens expressarem seu estilo. 

A história 
A história começou em 1920 na cidade de Buffalo, estado de Nova York, quando o imigrante alemão Ehrhardt Koch decidiu utilizar sua vasta experiência na produção de chapéus para criar algo único, que levasse seu próprio conceito. Foi então que ele levantou um empréstimo de US$ 1.000 com sua irmã, Rose, e um amigo, Joe Amerien, para fundar a empresa E. Koch Cap Co., que iria fabricar chapéus, boinas e toucas. Em 1922, ele mudou o nome da empresa para NEW ERA CAP CO. O primeiro produto da empresa, batizado de Gatsby, na verdade era um tipo de boina feita de lã. Em seu primeiro ano de atividade a empresa produziu 60.000 chapéus. Uma década mais tarde seu filho, Harold, começou a trabalhar na empresa. E foi justamente ele que percebeu que os primeiros bonés fashion estavam em decadência, ao mesmo tempo em que o beisebol ganhava enorme popularidade entre os americanos. E resolveu investir nisso. O primeiro boné de beisebol profissional da NEW ERA foi produzido em 1934 para a equipe do Cleveland Indians. Além de diferente, era feito 100% em lã. Era o início de uma bem sucedida ligação com o mundo esportivo.


A década de 1940 foi um período muito difícil para a empresa em virtude da Segunda Guerra Mundial. Mas apesar das dificuldades a empresa manteve-se forte, utilizando para isso muita criatividade. Por exemplo, quando faltavam tecidos coloridos eles compravam tecidos incolores para tingi-los depois na máquina de lavar roupas da família. Os bonés ajustáveis com elástico surgiram nessa época. Nos anos de 1950, a empresa era a única fabricante independente de bonés e fornecedora para grandes times da Liga Profissional de Beisebol (Major League Baseball). Infelizmente, em 1953, o fundador Ehrhardt Koch faleceu, aos 68 anos. Mas seus princípios se mantiveram fortes dentro dos valores da marca, que continuou a conquistando mercado. Com o crescimento da empresa, em 1960, a NEW ERA inaugurou uma fábrica exclusiva para a fabricação do icônico boné 59FIFTY®, em Derby, estado de New York, enquanto a fábrica de Buffalo seguia com a produção de boinas, os bonés ajustáveis e os modelos clássicos. Foi nesta década que surgiria uma frase, adotada como conceito e slogan pela NEW ERA, que a tornaria famosa: “Se é bom o suficiente para os times profissionais, então é bom o suficiente para você”. Na década de 1970, o filho de Harold Koch, David, tornou-se presidente da empresa, após 14 anos de trabalho com a NEW ERA. David se casou com Valerie, que teve um importante papel na história da empresa ao criar o logotipo (em forma de boné) que seria o símbolo máximo da marca por muitos anos.


Já em 1974 o sucesso da marca podia ser comprovado quando 20 dos 24 times profissionais de beisebol da MLB já tinham seus bonés produzidos pela NEW ERA. Mas foi no final desta década que a empresa deu seu passo mais importante rumo ao sucesso ao criar a coleção MLB Diamond e vendê-la diretamente ao público pela primeira vez. Eram os mesmos bonés utilizados pelos jogadores em campo nas partidas profissionais de beisebol, que podiam ser comprados pelos torcedores apaixonados pelo esporte e seus clubes. Os bonés eram vendidos através de catálogos com o preço de US$ 12.99. O sucesso foi imediato. Com o slogan “Wearing what the pros wear” a coleção se tornou um sucesso nos Estados Unidos e começou a ser exportada para muitos países ao redor do mundo. A década de 1980 foi marcada pela diversificação de sua linha de produtos com o lançamento de bonés para tênis e golfe, recebendo propostas para criar bonés até mesmo para o exército americano. Em 1991 a MLB liberou o uso do logotipo da liga (conhecido como “Batterman”) na parte traseira dos bonés usados em campo, que se tornou um ícone dentro da cultura headwear. Pouco depois, após uma longa negociação a NEW ERA passou a ser fornecedora oficial de bonés para todos os times da MLB e de mais de 200 universidades americanas.


A partir da virada do novo milênio, a NEW ERA se globalizou e abriu escritórios de venda na Europa, Japão e Austrália. Em 2008 a marca expandiu sua linha de produtos ao introduzir acessórios como mochilas, pochetes e cintos, além de roupas como camisetas e jaquetas. Esses itens são produzidos com a mesma qualidade e cuidado de seus bonés. Em 2010, a marca lançou a campanha publicitária “Fly your own flag”, que tem acompanhado a NEW ERA nos últimos anos. Já em 2012, a marca incorporou em seus bonés utilizados pelos atletas profissionais diversas tecnologias para ajudar no desempenho, como por exemplo, o tecido NE TECH™, que possibilita mais conforto; DRYERA™, desenvolvida para mantê-los secos através de um tecido especialmente tratado que repele a água; SOLARERA™, tecido refletor que ajuda a proteger do sol forte com fator de proteção ultravioleta; ou a COOLERA™, que suga rapidamente o suor e o dispersa rapidamente. Hoje em dia a NEW ERA continua sendo uma escolha de estilo de vida, não só pelas coleções de bonés, gorros e chapéus, mas também pelas linhas de acessórios e confecção.


Nos últimos anos a marca adotou a estratégia global de varejo de inaugurar lojas âncoras nas maiores cidades do mundo, como por exemplo, Berlim, Londres, Los Angeles, Nova York, Tóquio e Toronto. Em dezembro de 2014 a NEW ERA inaugurou sua primeira loja em solo brasileiro, localizada na cidade de São Paulo. Atualmente a NEW ERA é fornecedora oficial de bonés para todas as equipes da MLB (Major League Baseball), assim como alguns dos melhores times de beisebol da Coréia do Sul, Japão e Austrália. A partir de abril de 2012 a NEW ERA se tornou fornecedora oficial de bonés para todos os times da poderosa liga profissional de futebol americano (NFL). A empresa mantém contratos de licenciamento com as ligas profissionais de hóquei no gelo (NHL), basquete (NBA), rúgbi (National Rugby League) e mais de 200 universidades americanas.


O ícone 
Foi em 1954 que surgiu o principal ícone da marca. E isto aconteceu quando a NEW ERA resolveu remodelar seu tradicional boné, introduzido em 1934 para a equipe de beisebol do Cleveland Indians. Totalmente redesenhado o modelo foi batizado inicialmente de 5950, também conhecido como “Brooklyn Style”, inconfundível por sua aba reta e por oferecer diversos tamanhos para um encaixe perfeito. E foi no dia 13 de abril de 1954 que pela primeira vez o boné 5950 foi usado em um jogo de beisebol profissional. Com o suor dos jogadores, ou até mesmo a chuva, a fabricação dos bonés deixou de lado a lã para utilizar o poliéster, mais durável e resistente à água. E as mudanças não pararam. A cor da parte de baixo da aba passou a ser preta, em virtude do reflexo das luzes dos estádios. No início dos anos de 2000, a NEW ERA rebatizou o modelo como 59FIFTY® a partir da campanha “Originators of the True Fitted” e introduziu um dos elementos mais reconhecidos dos seus bonés: a etiqueta na aba. O modelo mais popular e emblemático da marca é o responsável direto pelo sucesso, expansão e grandeza que a empresa conseguiu conquistar.


As curiosidades 
Com mais de 90 anos de tradição o que não falta para a NEW ERA são curiosidades a respeito dessa enorme trajetória dedicada exclusivamente ao desenvolvimento e popularização do headwear em todo o mundo: 
● Até hoje somente 29 celebridades foram convidadas a lançar linhas exclusivas, começando em 1996 por Spike Lee que abriu o precedente ao pedir para a empresa lançar versões únicas do clássico boné 59FIFTY® da equipe de beisebol do New York Yankees na cor vermelha. 
● Mais de 450 equipes profissionais de várias modalidades esportivas e empresas de entretenimento (como Marvel, DC Comics, EA Sports, Warner Bros., Hasbro, além de bandas de rock) carregam seus símbolos e logotipos ao lado da bandeira da NEW ERA em diversos modelos de bonés. 
● As misteriosas 22 etapas de produção do boné 59FIFTY® até hoje são mantidas em sigilo absoluto pelos funcionários da empresa. 
● O número mais vendido é 7⅜, considerado o tamanho médio da cabeça de um homem adulto (o equivalente a 58.7cm). 
● Aquele pequeno símbolo na parte de trás dos bonés com o logotipo da MLB em três cores leva 6.000 pontos de costura. Já o logotipo da marca contém exatos 857 pontos de costura. 
● As fábricas da empresa trabalham com a média de 3.000 máquinas de bordados funcionando 24 horas por dia de forma automotizada. 
● O logotipo mais popular na história da NEW ERA é o do New York Yankees. Já o logo mais complexo para ser bordado é da equipe de beisebol do Seattle Mariners. E a cor azul marinho é o tecido mais comum nos bonés da marca. 
● A NEW ERA oferece mais de 6 milhões de maneiras (ou seja, bonés) de dizer “esse sou eu” através do sistema de customização New Era by You™
● Um boné com o símbolo do New York Yankees, um dos mais famosos da marca, tem 10 mil pontos feitos por uma agulha.


A evolução visual 
A identidade visual da marca passou por inúmeras e radicais modificações ao longo dos anos. A primeira alteração ocorreu na década de 1940 quando o novo logotipo já apontava a marca como um nome de qualidade na produção de bonés. Após passar por outras alterações, em 1972, ocorreu uma mudança radical: o logotipo apresentava o nome da marca escrito em formato de boné.


Em 1997, a NEW ERA mudou seu logotipo pela primeira em 25 anos. O novo logotipo continha as iniciais NE formando uma bandeira (conhecida como New Era Flag), com o nome da marca escrito abaixo. Há poucos anos atrás o logotipo passou por uma remodelação: o nome da marca ganhou uma nova tipografia de letra e foi posicionado do lado direito do símbolo.


Dados corporativos 
● Origem: Estados Unidos 
● Fundação: 1920 
● Fundador: Ehrhardt Koch 
● Sede mundial: Buffalo, New York, Estados Unidos 
● Proprietário da marca: New Era Cap Company, Inc. 
● Capital aberto: Não 
● CEO: Christopher H. Koch 
● Presidente: Pete Augustine 
● Faturamento: US$ 750 milhões (estimado) 
● Lucro: Não divulgado 
● Lojas: 15 
● Presença global: 81 países 
● Presença no Brasil: Sim 
● Funcionários: 1.700 
● Segmento: Moda (acessórios) 
● Principais produtos: Bonés, gorros, chapéus, mochilas, cintos e camisetas 
● Concorrentes diretos: Adidas, Reebok, Nike, Starter, 47 Brand e Top Of The World 
● Ícones: O boné 59FIFTY® 
● Slogan: Fly Your Own Flag. 
● Website: www.neweracap.com.br 

A marca no mundo 
Atualmente a NEW ERA é a maior fabricante de bonés e acessórios para cabeça do mundo, vendendo seus produtos em mais de 80 países. A marca ainda possui 15 lojas conceito em cidades como Nova York, Buffalo, Miami, Los Angeles, New Orleans, Londres, Berlin, Toronto, Hong Kong, Tóquio e mais recentemente em São Paulo. Os maiores mercados da marca são Estados Unidos, Reino Unido e Japão. A empresa vende mais de 50 milhões de bonés todos os anos. Hoje em dia a empresa é comandada pela quarta geração da família Kock, representada pelo bisneto do fundador. 

Você sabia? 
Os bonés representam 90% do faturamento da marca. 
A NEW ERA teve a honra de fornecer os bonés para a tripulação da Apollo 11 em 1969. 


As fontes: as informações foram retiradas e compiladas do site oficial da empresa (em várias línguas), revistas (Fortune, Forbes, Newsweek, BusinessWeek e Time), sites especializados em Marketing e Branding (BrandChannel e Interbrand), Wikipedia (informações devidamente checadas) e sites financeiros (Google Finance, Yahoo Finance e Hoovers). 

Última atualização em 15/12/2014

8.12.14

YOKI


A YOKI oferece centenas de produtos práticos e convenientes que estão presentes nos melhores momentos da vida de milhões de brasileiros. Na escola, no cinema, na festa de aniversário, no churrasco com os amigos, no café da manhã, no almoço ou no jantar com a família, as tradicionais e deliciosas pipocas, temperos, misturas para bolos, sobremesas até sucos saudáveis, além de saciarem a fome, alimentam milhões de consumidores com produtos saudáveis e de alta qualidade. 

A história 
Tudo começou em 1960, no bairro de Pinheiros, em São Paulo, quando o imigrante japonês Yoshizo Kitano resolveu fundar uma empresa para comercializar cereais e farináceos. Batizada de Kitano (em japonês significa “campo do Norte”), alguns anos depois a empresa introduziu uma completa linha de especiarias a granel e condimentos no mercado. Com o crescimento do consumo em supermercados, Yoshizo identifica a mudança de comportamento do consumidor e passa a vender produtos empacotados. Na década seguinte a empresa continuou crescendo e lançou sua primeira linha de chás com a marca Kitano. Na década de 1980 lançou no mercado sua primeira linha de sobremesas, que incluía as tradicionais gelatinas. A história da empresa começou a mudar no final desta década, em 1989, quando a Refinações de Milho Brasil (atual Unilever) comprou a marca Kitano e, com ela, todas as linhas de chás, especiarias e sobremesas.


Apesar da venda, a família permaneceu com as linhas de cereais e farináceos, que englobavam produtos como fubá, farinha e pipoca, além de três fábricas e 1.500 funcionários. E foi então, que seis meses após a venda da marca KITANO, a empresa adotou um novo nome: Yoki Alimentos. Com isso surgia também a marca YOKI, formada pelas iniciais do nome de Yoshizo Kitano e cujo termo em japonês significa “bons presságios ou felicidade”. Com uma estratégia diferenciada, a YOKI resolveu expandir sua linha de produtos com o lançamento de produtos prontos e semi-prontos, trazendo assim mais praticidade para os consumidores brasileiros, como por exemplo, a pipoca com sabores, as farofas prontas e as misturas para pão de queijo. Além disso, introduziu no mercado a linha Mais Vita, composta por alimentos à base de soja e criada para quem preza uma alimentação saudável. Em 1996 iniciou a exportação de algumas de suas linhas.


Em 1997, já consolidada no mercado brasileiro e na mente de milhares de consumidores, a empresa recomprou a marca Kitano, assim como suas linhas de produtos. Com isso, aproveitou para lançar mais de 80 especiarias, molhos condimentados, realçadores de sabor, temperos, caldos e sopas com a marca. Hoje em dia, a marca Kitano se tornou sinônimo de tudo o que possa conferir ou realçar o sabor dos alimentos, como molhos, caldos e temperos. Em 2003 a YOKI retomou sua atuação no segmento de chás ao readquirir a linha de chás Kitano e comprar a marca LinTea. Nos anos seguintes, contando com uma equipe de engenheiros de alimentos, nutricionistas e profissionais de marketing que se dedicam integralmente a desenvolver e criar novos produtos que atendam às necessidades e desejos dos consumidores, a YOKI expandiu suas linhas, lançou novos produtos e ingressou em diferentes segmentos de alimentos, incluindo salgadinhos como a linha YOKITOS LEVÍSSIMA, composta por batatas mais finas, sabores suaves e refinados, com um toque de azeite de oliva, o que proporciona ao paladar uma experiência muito mais crocante, delicada e, principalmente, saudável.


No mês de maio de 2012, em meio a uma tragédia familiar, Marcos Kitano Matsunaga neto do fundador e diretor executivo da empresa foi assassinado brutalmente por sua esposa, a YOKI foi vendida por R$ 2 bilhões para a americana General Mills, quinta maior empresa de alimentos do mundo e proprietária de marcas consagradas como os cereais Cheerios, as barras de cereais Nature Valley e os sorvetes Häagen-Dazs. Com isso, a YOKI e suas marcas fortaleceram sua presença no dia a dia de quem cozinha por todo o Brasil. Nos anos seguintes continuou introduzindo produtos inovadores no mercado, como por exemplo, pipoca para micro-ondas com cobertura Romeu e Julieta, batata-palha sabor Hot Dog, farofa mexicana (apimentada e com pedacinhos de tortilla crocante), sopões com sabores regionais e purê de batata instantâneo.


E, em 2014, a General Mills utilizou a força da marca YOKI entre os consumidores brasileiros para introduzir a marca americana Betty Crocker. Surgiu assim a linha de mistura para bolos e sobremesas YOKI BETTY CROCKER. Hoje em dia a empresa comercializa seus produtos com as marcas Yoki (cereais, pipocas, farináceos, sobremesas e produtos semi-prontos), Kitano (ervas finas e temperos), Yokitos (salgadinhos), Yoklon (mingaus e farinha láctea), Mais Vita (produtos naturais) e Chef Line (institucionais). Foi assim, que de uma modesta empacotadora de grãos a empresa se transformou em uma das mais modernas indústrias alimentícias do mercado brasileiro.


A evolução visual 
A identidade visual da marca passou apenas por uma remodelação em sua história, que ocorreu em 2007. Apesar de manter a estrutura do logotipo original, a identidade visual ganhou linhas arredondas e novas tonalidades de cores, tornando-se mais moderna e atraente.


Dados corporativos 
● Origem: Brasil 
● Fundação: 1960 
● Fundador: Yoshizo Kitano 
● Sede mundial: São Bernardo do Campo, São Paulo, Brasil 
● Proprietário da marca: Yoki Alimentos S.A. 
● Capital aberto: Não (não subsidiária da General Mills, Inc.) 
● Presidente: Mitsuo Matsunaga 
● Faturamento: R$ 1.5 bilhões (estimado) 
● Lucro: Não divulgado 
● Fábricas:
● Presença global: 30 países 
● Presença no Brasil: Sim 
● Funcionários: 5.000 
● Segmento: Alimentos 
● Principais produtos: Salgadinhos, sucos, temperos, cereais, sopas e pipoca para micro-ondas 
● Concorrentes diretos: Nestlé, Unilever, Pepsico, Mondelēz e Hikari 
● Ícones: A pipoca de micro-ondas 
● Website: www.yoki.com.br 

A marca no mundo 
Com faturamento anual estimado em R$ 1.5 bilhões, a YOKI é uma das maiores empresas alimentícias do mercado brasileiros e comercializa em todo território nacional sua linha de produtos, composta por mais de 620 itens diferentes, de salgadinhos e cereais a farinha de mandioca e sucos prontos. Os produtos da empresa estão presentes em mais de 70 mil pontos de venda em todo o Brasil. Além disso, a YOKI exporta seus produtos para 30 países ao redor do mundo. A empresa emprega 5.000 pessoas e conta com nove fábricas instaladas em seis estados (Mato Grosso, Minas Gerais, Paraná, Pernambuco, Rio Grande do Sul e São Paulo). 

Você sabia? 
A pipoca para micro-ondas é um dos principais e mais populares produtos da empresa. Por isso a YOKI é líder no segmento de pipocas de grão para micro-ondas. 
A YOKI ainda é proprietária da marca TORI, que oferece uma completa linha de rações e sementes para pássaros. 


As fontes: as informações foram retiradas e compiladas do site oficial da empresa (em várias línguas), revistas (Isto é Dinheiro, Exame e Época Negócios), jornais (Valor Econômico e Meio Mensagem), sites especializados em Marketing e Branding (Mundo do Marketing) e Wikipedia (informações devidamente checadas). 

Última atualização em 8/12/2014