14.6.06

DONNA KARAN


Por que será que, em meio a tantos novos estilistas, Donna Karan continua sendo a queridinha de nove entre dez mulheres? A resposta parece ser simples: ela apostou nas mulheres comuns - nem tão altas nem tão magras como gostariam de ser, mas que desejam ser elegantes sem ter um corpo de modelo. Com um olho nas ruas e outro nas mulheres comuns, Donna Karan tornou-se a primeira estilista americana a influenciar o mundo com sua moda criativa e inovadora, através de um estilo urbano, sofisticado e acessível. Quem abrir o guarda-roupa de qualquer garota de razoável poder aquisitivo e muitas horas de compras em Nova York vai encontrar, com certeza, ao menos uma camiseta com as duas iniciais que fazem hoje o sonho de consumo de milhares de mulheres pelo mundo afora: DK. 

A história 
O destino de Donna Karan estava mesmo ligado à moda. Filha de um dono de armarinho e de uma modelo e representante de vendas de uma confecção, essa nova-iorquina nascida no tradicional bairro de Queens como Donna Ivy Faske (foto abaixo), em 2 de outubro de 1948, teve sua primeira experiência profissional ainda no colégio, durante as férias de verão, ao trabalhar com a estilista Liz Claiborne. Mais tarde, ela frequentou a Parsons School of Design, de Nova York, de onde saíram nomes como Tom Ford e Marc Jacobs, e logo nas férias do segundo ano foi contratada para desenhar para Anne Klein, famosa estilista de roupas esportivas para jovens mulheres, que foi a primeira a combinar vestidos e casaquinhos, vestidos de cintura justa com blazers e jaquetas de aviador.


Já formada passou um ano no ateliê antes de ir trabalhar para a Addenda, uma indústria de confecção. Em 1968, voltou para o ateliê de Klein e, após a morte de Anne, em 1974, ela e Louis Dell’Olio se tornaram estilistas da empresa para terminar uma coleção incompleta. Juntos, os dois deram nova vida às roupas da marca, transformando modelos originais de sportswear em peças extremamente atuais através de uma modelagem simples e preços acessíveis. Depois de 15 anos na Anne Klein, Donna sentiu o impulso de ter sua própria grife ao perceber sua dificuldade (e a de tantas outras mulheres) para encontrar o que realmente precisava no guarda-roupa. “A ideia veio quando tentava limpar meu closet do excesso. Precisava tornar fácil a escolha de roupas pela manhã. Então, resolvi meu problema com o mínimo de peças coordenáveis de diversas maneiras”, costuma contar Donna Karan.


Junto com seu segundo marido, o escultor Stephan Weiss, montou um império que a colocou no mesmo patamar de importância de outros consagrados estilistas americanos, como Ralph Lauren e Calvin Klein. Fundou sua empresa na cidade de Nova York em 1984 e, em sua primeira coleção, lançada no ano seguinte, colocou na passarela uma mulher quase minimalista aos olhos da época, vestindo jérsei e crepe de lã, com botas pesadas e joias assinadas por Robert Lee Morris. De olho nas ruas e nas mulheres comuns, que buscam a elegância, mas não têm tempo de sobra nem corpo de modelo, apostou na fórmula simples de valorizar os pontos positivos da silhueta feminina e disfarçar os eventuais defeitos.


Ao se livrar dos excessos típicos dos anos de 1980 e focar sua criação para as mulheres comuns, Donna Karan descobriu o segredo do sucesso. Como não poderia deixar de ser, a fórmula de valorizar os pontos positivos da silhueta feminina e disfarçar os negativos deu muito certo e ela acabou chamando a atenção da crítica e do público com um bodysuit preto (mais conhecido no Brasil somente como “body”), inicialmente com botões, para ser usado com calça, com saia, por baixo de casacos ou sozinho mesmo. Era modelado segundo os princípios das peças capazes de firmar o corpo e corrigir as imperfeições. Também revolucionou o conceito da moda feminina na época ao lançar, o que, ela mesma batizou, de “Seven Easy Pieces”, que correspondia a sete peças de roupa que podiam ser combinadas e usadas a qualquer hora do dia e da noite, durante a semana ou em finais de semana. Tratava-se de um guarda roupa muito feminino e completo composto de sete peças intercambiáveis. O conceito inovador para a época fez muito sucesso entre as nova-iorquinas. Rapidamente também os sapatos DONA KARAN entraram na lista do “must have” de celebridades e de outras tantas mulheres comuns, se tornando uma espécie de objetos de desejo.


Nascida e criada em Nova Iorque a estilista acertou ao associar sua marca à cidade, fonte de inspiração e lar das mulheres urbanas e dinâmicas, motivada pelo desejo de atender o público jovem e, especialmente, sua filha Gaby, com a criação de uma segunda marca, a DKNY (iniciais de Donna Karan New York) composta por peças e acessórios mais despojados e acessíveis. A marca se transformou em um enorme sucesso mundial com suas peças descontraídas e modernas. Em dez anos o sucesso da marca DONNA KARAN estava consolidado, abrangendo roupas femininas, masculinas, linha jovem, lingeries, sapatos, acessórios em geral e até perfumes, lançados no início dos anos de 1990. Nos anos seguintes inaugurou suas primeiras lojas âncoras em Londres (1994) e Nova York (1999), e expandiu sua linha de produtos com o lançamento de roupas íntimas masculinas, coleções para casa, relógios, óculos e novos perfumes que se tornaram um sucesso em vendas. Além disso, para ganhar ainda mais visibilidade e estilo, a grife investiu em garotas-propagandas célebres, como por exemplo, a atriz Demi Moore.


Em novembro de 2001, a empresa Donna Karan International (DKI), que atravessava uma fase de prejuízos econômicos, apesar do enorme volume de vendas, foi adquirida pelo conglomerado de marcas de luxo LVMH, que pagou aproximadamente US$ 250 milhões. Com isso, a DONNA KARAN alavancou sua expansão internacional, ingressando em vários novos mercados pelo mundo afora. Em 2002, o fotógrafo Peter Lindbergh fez as fotos de um livro-catálogo com modelos vestindo a grife em meio aos ícones da cidade, como os táxis amarelos e a estátua da liberdade. A campanha foi um verdadeiro sucesso e impulsionou ainda mais as vendas da marca. Nos últimos anos, várias lojas foram inauguradas, especialmente em países do continente asiático, como China, Japão, Índia, Cingapura, e Hong King, e as marcas DONNA KARAN NEW YORK e DKNY licenciadas para outras categorias de produtos. Hoje em dia a grife simboliza o desejo da mulher cosmopolita que não abre mão de design e qualidade em boas peças e acessórios que valorizem o corpo e a personalidade feminina.


A linha do tempo 
1988 
Criação da DKNY, direcionada a um público mais jovem e que apresenta uma moda mais urbana, moderna e acessível. 
1990 
Lançamento da DKNY JEANS, uma linha de roupas jeans. 
1991 
Lançamento da marca DONNA KARAN MENSWEAR, voltada totalmente para o público masculino. 
1992 
Lançamento do DONNA KARAN, primeiro perfume feminino da marca. 
Lançamento dos produtos de beleza da marca DKNY. 
Lançamento da coleção infantil DKNY KIDS
Lançamento da coleção masculina de roupas DKNY MEN
1994 
Lançamento do DK MEN FUEL, primeiro perfume masculino da marca. 
Lançamento dos perfumes CASHMERE MIST e DONNA KARAN BEAUTY
1999 
Lançamento da DKNY ACTIVE, linha de roupas esportivas da grife. 
Lançamento do perfume DKNY WOMEN
2000 
Lançamento da primeira coleção de relógios da grife. 
Lançamento da DKNY UNDERWARE, linha de roupas íntimas masculinas. 
Lançamento do perfume DKNY MEN
2001 
Lançamento da DKNY HOME COLLECTION, uma completa linha de roupas (cama/mesa/banho) e acessórios para casa. 
2002 
Lançamento do perfume BLACK CASHMERE
Lançamento do perfume DKNY ENERGY
2004 
Lançamento do perfume DKNY BE DELICIOUS, nas versões para mulheres e homens. 
2005 
Lançamento do comércio eletrônico em sua página na internet. 
2006 
Lançamento do perfume DONNA KARAN GOLD
2007 
Lançamento do perfume feminino DKNY DELICIOUS NIGHT
2009 
Lançamento do perfume LOVE FROM NEW YORK
2010 
Lançamento do perfume feminino PureDKNY, que trazia como slogan “só uma gota de baunilha”, definindo assim perfeitamente a nova fragrância. Além da leveza do aroma, a marca pensou também em uma embalagem perfeita, fabricada em papel de floresta reciclável, com energia 100% renovável e protegida com material biodegradável. O frasco era simples e em forma de gota d’água, feito em vidro 100% reciclável e com tampa em alumínio puro. 
2014 
Lançamento da coleção DKNYRamadan, uma linha de roupa feminina exclusiva para países do Médio Oriente. A linha cumpre os requisitos impostos pelo hijab (código de vestuário) daqueles países e apresenta como principais apostas peças de vestuário feitas de tecidos soltos e ondulantes que cobrem todo o corpo, tal como exige a religião muçulmana. A nova coleção foi inicialmente lançada no Líbano, Jordânia e Iraque. 
Lançamento do perfume DKNY MY NY, uma homenagem à cidade que a estilista tanto ama. Para estrelar a campanha do novo perfume, que tem notas de framboesa, pimenta, baunilha, almíscar e âmbar, a marca escalou mais uma vez a cantora Rita Ora.


A comunicação 
A marca é muito conhecida pela sua publicidade forte e impactante, que utiliza imagens de grandes celebridades mundiais. A lista de celebridades que emprestaram sua imagem a grife da estilista nova-iorquina é grande. O rosto mais cativo dos últimos anos foi da atriz e modelo ucraniana Milla Jovovich. Uma colaboração aparentemente inesperada, em 2000, porém de grande apelo junto às mulheres de quase todas as idades, foi a do ator britânico Jeremy Irons, astro de filmes como O Reverso da Fortuna (com o qual ganhou o Oscar em 1990), Gêmeos – mórbida semelhança e Callas Forever. A atriz australiana Cate Blanchett e a modelo Kate Moss, também são algumas das estrelas que colaboraram recentemente com DONNA KARAN. Já o também britânico Julian Sands também marcou presença em uma campanha com belas imagens.


A pronúncia 
“Dona Quérham”. O segredo da pronúncia correta está no segundo nome, porque, no primeiro, a fala de “Donna” é igual em português. No “Karan”, é preciso um pouco de carinho para pronunciá-lo: além do “ka” da primeira sílaba ser a tônica e transformar-se em “quÉ”, para falar a segunda sílaba de forma perfeita, é preciso dar uma “enroladinha” na língua: o “ran” parece que ganha um “h” entre o “r” e o “am”, a fim de que saia corretamente: “quérham”.


A evolução visual 
Apesar da “marca mãe” (DONNA KARAN NEW YORK) não ter modificado sua identidade visual ao longo dos anos, a grife DKNY teve seu logotipo alterado, adotando uma nova tipografia de letra, muito mais fina e moderna, passando assim uma imagem de sofisticação.


Dados corporativos 
● Origem: Estados Unidos 
● Fundação: 1984 
● Fundador: Donna Karan 
● Sede mundial: New York City, New York 
● Proprietário da marca: Donna Karan International 
● Capital aberto: Não (subsidiária da LVMH Moët Hennessy • Louis Vuitton S.A.) 
● CEO: Mark Weber 
● Estilista: Donna Karan 
● Faturamento: US$ 1 bilhão (estimado) 
● Lucro: Não divulgado 
● Lojas: + 150 
● Presença global: 80 países 
● Presença no Brasil: Sim 
● Funcionários: 2.100 
● Segmento: Moda 
● Principais produtos: Roupas, acessórios, óculos, sapatos, bolsas e perfumes 
● Concorrentes diretos: Dolce & Gabbana, Kate Spade, Ralph Lauren, Calvin Klein, Marc Jacobs e Ann Taylor 
● Website: www.donnakaran.com 

A marca no mundo 
A DONNA KARAN INTERNATIONAL tem mais de 2.000 funcionários e mais de 150 lojas (90% delas sob a marca DKNY) em diversos países ao redor do mundo, como por exemplo, Estados Unidos, Inglaterra, Suíça, Arábia Saudita, Cingapura, Japão, Taiwan e Dubai. A estilista Donna Karan desenha oito coleções anuais para duas etiquetas – DONNA KARAN NEW YORK e DKNY. Seu nome está impresso em mais de 400 itens, que englobam desde acessórios, roupas de cama, moda masculina e feminina até relógios, calçados e perfumes. A marca está na lista das mais rentáveis do mundo em seu segmento, incluindo ganhos provenientes de licenças para produção de cosméticos e outros produtos. 

Você sabia? 
Em 1974, Donna se casou com Mark Karan, o homem que lhe daria o sobrenome que a tornou famosa. 


As fontes: as informações foram retiradas e compiladas do site oficial da empresa (em várias línguas), revistas (Newsweek, BusinessWeek, Isto é Dinheiro e Exame), sites de moda (PureTrend), jornais (Valor Econômico e Meio Mensagem), sites especializados em Marketing e Branding (BrandChannel e Mundo Marketing) e Wikipedia (informações devidamente checadas). 

Última atualização em 3/9/2014

2 comentários:

Ester disse...

Admiro esta mulher por sua determinação.
Sou apaixonada pela história das marcas, e tenho um belo sonho de um dia ter a minha.

Gesy Haddad Tápias Dabrowska disse...

Conheço a moda elegante, chic e descomplicada de Donna Karan.
Tenho vários frascos dos seus perfumes, os quais adoro.